Correio do Povo | Notícias | Moradores de Canoas, Gravataí e Cachoeirinha reclamam da água

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 22 de Setembro de 2018

  • 16/02/2018
  • 11:54
  • Atualização: 13:09

Moradores de Canoas, Gravataí e Cachoeirinha reclamam da água

Corsan diz que alteração é decorrente da proliferação de algas no Guaíba

Moradores reclamam afirma do cheiro forte na água tanto na pia da cozinha, quanto no banheiro | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

Moradores reclamam afirma do cheiro forte na água tanto na pia da cozinha, quanto no banheiro | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

  • Comentários
  • Fernanda Bassôa

Moradores de Canoas, Gravataí e Cachoeirinha têm reclamado, desde o feriado de Carnaval,  que a água que sai das torneiras das residências está com a coloração alterada, além de gosto e cheiro estranhos. O jornalista Jesiel Saldanha, que mora no bairro Fátima, em Canoas, afirma que o cheiro está forte tanto na pia da cozinha, quanto no banheiro. “Eu não pago para ter água com sabor. Pelo que sei, a água deveria ser insipida, inodora e incolor.” Já a publicitária Olinda da Costa Ribeiro, de Gravataí, afirma que o marido está com dores de estômago em virtude da alteração da água. “Isso é inadmissível. Até no chuveiro dá para perceber o cheiro forte.”

A Corsan informou, por meio de nota, que o odor e o sabor de terra na água observados por clientes de bairros de Canoas, Cachoeirinha e Gravataí são decorrentes da proliferação de algas no lago Guaíba. Além disso, a companhia explica que não há prejuízo para a potabilidade. Para minimizar os efeitos sensoriais, já está havendo maior dosagem de carvão ativado à água na estação de tratamento. A Corsan informou ainda que a proliferação das algas deve-se à combinação da incidência de sol, ao calor, à presença de nutrientes e ao movimento mais lento da água no manancial.

A captação da água bruta servida nos municípios é realizada no Arroio das Garças, localizado em Canoas. Com a estiagem da semana passada, o nível do arroio diminuiu, fazendo com que a água do Guaíba entrasse no leito do arroio, misturando as águas. A perspectiva é de que, com as chuvas dos últimos dias, o sabor e o odor de terra desapareçam gradativamente.