Correio do Povo | Notícias | Parceria garante construção de 600 moradias na área indígena do Guarita

Porto Alegre

31ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

  • 21/02/2018
  • 13:03
  • Atualização: 13:13

Parceria garante construção de 600 moradias na área indígena do Guarita

As obras devem começar em março na reserva que fica em Tenente Portela e Redentora

É grande a demanda de novas casas para os índios caingangues | Foto: Agostinho Piovesan / Especial / CP

É grande a demanda de novas casas para os índios caingangues | Foto: Agostinho Piovesan / Especial / CP

  • Comentários
  • Agostinho Piovesan

O presidente da Cooperativa de Habitação Indígena da Região Sul (COOPHIRS), Leomar Douglas Ribeiro, anunciou que deve começar no próximo mês a construção de 600 casas na área indígena do Guarita, nos municípios de Tenente Portela e Redentora, na região Celeiro do Estado. O dirigente da cooperativa, com sede em Redentora, se reuniu nesta semana, em Porto Alegre, com o secretário estadual de Obras, Saneamento e Habitação, Fabiano Pereira, para dar encaminhamento às obras na Reserva do Guarita.

Ribeiro disse que, atualmente, existe déficit habitacional de mais de mil casas na na área indígena, onde vivem 7,1 mil índios. Ele informou que a previsão de conclusão dos trabalho é para 18 meses. As casas de alvenaria terão 54 metros quadrados e serão construídas a partir de convênio com a participação do governo federal, por meio do Programa Minha Casa Minha Vida, Caixa Econômica Federal e Governo do Estado. A União garante R$ 28,1 mil por residência e o Estado entra R$ 5 mil por moradia. “Temos uma demanda muito grande de novas casas para os índios caingangues, muitos vivendo em sub-moradias, sem condições de ter uma vida digna”, observa.

Desde 2009 a cooperativa realiza convênios com o governo estadual para a promoção da habitação popular em áreas indígenas. Nos último período, 570 unidades habitacionais foram construídas a partir da parceria entre os governos gaúcho e federal somente na localidade de Terra Indígena da Guarita.  O governo do Estado informou que trata com prioridade as políticas públicas de habitação popular, tendo um olhar especial para as áreas indígenas.