Correio do Povo | Notícias | Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande faz denúncia ao MPF sobre obra levada para a China

Porto Alegre

12ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 24 de Junho de 2018

  • 09/03/2018
  • 19:49
  • Atualização: 20:04

Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande faz denúncia ao MPF sobre obra levada para a China

Entidade quer que o casco da plataforma P-71 seja construído em estaleiro no Sul do Estado

  • Comentários
  • Angélica Silveira

 O presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas e de Material Elétrico de Rio Grande e São José do Norte, Benito Gonçalves, denunciou a Petrobras ao Ministério Público Federal (MPF) por ruptura de contrato de forma unilateral para a construção dos cascos das plataformas P-71 e P-72 em Rio Grande. Ele também pediu ao Tribunal de Contas da União investigação sobre suposto desperdício de dinheiro público com a decisão. “O que levou o Benito a pedir ajuda em nível federal é que, há oito meses, o presidente Pedro Parente disse que a Petrobras não tinha interesse na P-71 e P-72 e, nesta semana, vimos o anúncio da encomenda da P-71 para um estaleiro na China”, disse o vice-presidente do sindicato, Sadi Machado.

A notícia causou revolta nos trabalhadores. “A nossa ideia é que a Petrobras volte atrás e termine o casco em Rio Grande, em vez de fazer todo o trabalho novamente encomendando fora do país.” Conforme Machado, há 80 mil toneladas de peças de aço no Estaleiro Rio Grande sendo cortadas para comércio como sucata.

Em nota, a Petrobras diz que não comenta a denúncia ao MPF e que contratou a construção do novo casco da P-71 por meio de licitação internacional. “Não foram identificados no Brasil estaleiros capazes de realizar o serviço, seja por ausência de condições técnicas ou econômicas, seja por impedimento de contratação, pela Petrobras, em razão do envolvimento de empresas em casos revelados pela Operação Lava Jato.”

O casco da P-71 será construído pelo estaleiro chinês CIMC Raffles e a integração dos módulos da planta de processo está prevista para ser realizada em um estaleiro no Espírito Santo. Em relação aos blocos já fabricados, a Petrobras diz que a decisão pelo modelo de venda busca melhor resultado financeiro para a empresa e parceiros. A estatal garante que vem cumprindo com todas as obrigações previstas no acordo de encerramento amigável de contrato com a empresa responsável pelo Estaleiro Rio Grande no fim de 2016.