Correio do Povo | Notícias | Obras em hospital de Sapucaia do Sul serão entregues em abril

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Junho de 2018

  • 12/03/2018
  • 08:23
  • Atualização: 08:41

Obras em hospital de Sapucaia do Sul serão entregues em abril

Ampliação da Emergência do Hospital Municipal Getúlio Vargas começou em agosto de 2017

Cerca de 300 usuários procuram o estabelecimento diariamente | Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

Cerca de 300 usuários procuram o estabelecimento diariamente | Foto: Fernanda Bassôa / Especial / CP

  • Comentários
  • Fernanda Bassôa

As obras de ampliação da Emergência, assim como a reforma da subestação, da rede elétrica e de gases medicinais do Hospital Municipal Getúlio Vargas, em Sapucaia do Sul, voltaram ao ritmo normal. Os trabalhos, que se iniciaram em agosto de 2017, envolvem ainda a recepção e a área de espera e acolhimento do setor. A prefeitura e a Fundação Hospitalar Getúlio Vargas, que gerencia a casa de saúde, informaram que os trabalhos tiveram diminuição de execução no final de 2017, em razão de questões burocráticas administrativas decorrentes do período, mas que isso não ocasiona atrasos na entrega.

Como a previsão era de que os serviços tivessem duração de oito meses, a expectativa é que a nova estrutura seja entregue à comunidade em abril deste ano. A dona de casa Elvira dos Santos Vargas, que mora próximo ao estabelecimento, aguarda para conhecer os novos espaços. “Dependemos dos atendimentos do Getúlio Vargas. É um bom hospital, melhor ainda porque fica bem ao lado de casa”, diz.

Em razão dos trabalhos executados na instituição, foram necessárias intervenções externas, como a alteração de entrada dos visitantes, atualmente feita pela lateral do prédio, bem como readequações internas e de algumas alas. A Fundação informou que, com a conclusão dos trabalhos os moradores terão um serviço de atendimento hospitalar mais efetivo. Cerca de 300 usuários procuram o estabelecimento diariamente. Ao todo, será investido R$ 1,8 milhão, sendo R$ 1,1 milhão de recursos do Ministério da Saúde e R$ 662 mil de verbas da prefeitura.