Correio do Povo | Notícias | Semana para debater a violência contra crianças e adolescentes em São Leopoldo

Porto Alegre

14ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 22 de Maio de 2018

  • 14/05/2018
  • 13:08
  • Atualização: 13:22

Semana para debater a violência contra crianças e adolescentes em São Leopoldo

Programação segue até sábado e contará com o lançamento de centro de atendimento

  • Comentários
  • Stephany Sander

São Leopoldo realiza até sábado a Semana Municipal de Enfrentamento às Violências Contra Crianças e Adolescentes. Com programação que envolve atividades de prevenção ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes em escolas, audiências públicas e atividades culturais, a iniciativa é organizada pela Secretaria Municipal de Segurança e Defesa Comunitária (Semusp), por meio da Diretoria de Políticas de Segurança Cidadã.  "Durante esta semana também anunciaremos estratégias de enfrentamento, assim como medidas e projetos que serão implementados para atenção às vítimas na cidade”, afirma o titular da Semusp, Carlos Sant'Ana, destacando a criação do Centro de Atendimento a Crianças e Adolescentes Ivi Fuchs, que vem sendo debatido desde novembro do ano passado.

A iniciativa atende a Lei 13.431, da deputada federal Maria do Rosário, que regulamenta o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência, e cria mecanismos para prevenir e coibir novos casos. O espaço sairá do papel graças a uma emenda parlamentar, no valor de R$ 500 mil, para a compra de equipamentos, adequação da área física, além do custeio da unidade, que terá funcionamento 24 horas. O novo espaço centralizará todos os procedimentos, que hoje são feitos no Hospital Materno Infantil Presidente Vargas, em Porto Alegre.

O centro levará o nome de uma assistente social e ex-funcionária do Hospital Centenário já falecida, e que era conhecida pelo seu engajamento no combate à violência contra crianças e adolescentes. No local, a acolhida às vítimas, começará por um assistente social, seguida por perícia médica, atendimento psicológico e medicações. No ambiente, também será feito o Boletim de Ocorrência, junto com escuta protegida. Desde 2002, São Leopoldo conta com a Rede Municipal de Enfrentamento à Violência Doméstica e Sexual Contra Criança e Adolescente, que agora ganha mais ferramentas voltadas a prevenção.