Correio do Povo | Notícias | Servidores municipais de Santa Rosa podem entrar em greve

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Setembro de 2018

  • 17/05/2018
  • 14:14
  • Atualização: 18:31

Servidores municipais de Santa Rosa podem entrar em greve

Prefeitura tem até esta sexta-feira para responder ao sindicato da categoria

  • Comentários
  • Felipe Dorneles

A Prefeitura de Santa Rosa deve responder nesta sexta-feira ao Sindicato dos Servidores Públicos do município sobre pedido de reajuste salarial e vale alimentação. Os servidores negociam desde março o dissídio da categoria. O presidente do sindicato, Joaquim Soares, lembra que o primeiro pedido, com 17 itens de reivindicação, foi protocolado no dia 15 de março. Entre eles, estão reposição salarial de 2,56%, de acordo com o INPC, mais 3% de ganho real, e aumento do vale alimentação, de R$ 250 para R$ 320. “Tivemos várias propostas e contrapropostas que não foram aceitas nem pelo Executivo nem pelos servidores. O que a prefeitura estava disposta a negociar não chegava a 50% da nossa pauta”, revela.

Os servidores chegaram a fazer operação tartaruga em escolas de educação infantil e ensino fundamental, com redução de turnos. Neste período, o Executivo protocolou na Câmara de Vereadores um reajuste de 2,56% e vale alimentação de R$ 260. Isso motivou uma assembleia geral, na terça-feira, quando os servidores fizeram uma última proposta ao Executivo, com ameaça de greve geral: aumento de 2,56% mais vale alimentação de R$ 296, com escalonamento. “O aumento seria gradativo, até o mês de dezembro, de acordo com as condições da prefeitura. Não é uma boa proposta, mas é uma alternativa. Os servidores abriram mão, e esperamos que ocorra o mesmo por parte do Executivo”, avalia.

O prefeito em exercício, Luís Antônio Benvegnú, diz que é difícil atender ao pedido dos servidores. “Estamos há mais de um ano com ações implementadas para a redução de custos, como a diminuição de secretarias e de diárias, por exemplo. Mas a situação econômica do país reflete aqui", afirma Benvegnú. "Queremos fechar um acordo que teremos condições de pagar, e sem atrasos”. O Executivo tem até esta sexta para dar retorno ao pedido do sindicato.