Correio do Povo | Notícias | Canela debate a concessão de bens públicos

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de Setembro de 2018

  • 28/06/2018
  • 08:50
  • Atualização: 08:55

Canela debate a concessão de bens públicos

A prefeitura alega não ter recursos para realizar melhorias em seis imóveis

O Parque do Palácio já tem projeto de parceria público-privada | Foto: Halder Ramos / Especial / CP

O Parque do Palácio já tem projeto de parceria público-privada | Foto: Halder Ramos / Especial / CP

  • Comentários
  • Halder Ramos

 Alegando não ter recursos para realizar melhorias, a Prefeitura de Canela pretende fazer parcerias público-privadas a fim de revitalizar e dar melhor uso a seis imóveis: Parque do Palácio, Parque do Pinheiro Grosso, Centro de Feiras, Teatro Municipal, Teatro Casa de Pedra e Rodoviária. Os projetos para a concessão dos parques do Palácio e do Pinheiro Grosso foram debatidos em audiências públicas na Câmara de Vereadores. Os demais espaços ainda não têm propostas de investidores protocoladas na prefeitura.

Na noite de terça, mais de 150 pessoas lotaram o plenário legislativo para discutir o projeto do Parque do Palácio. Houve manifestações a favor de manter o local como está, mas buscando mais cuidados com a área. Outras opiniões enalteceram a importância de uma parceria com a iniciativa privada para melhorar a qualidade do parque. Ainda não há prazo para a votação. “A concessão segue a proposta do projeto Canela do Futuro, que busca transformar essas áreas públicas do município em fontes geradoras de emprego e renda, e uma dessas áreas é o Parque do Palácio”, afirmou o secretário de Governo, Vilmar Santos. Conforme ele, o governo estadual repassou, em 2010, a área de 9,1 hectares para a prefeitura construir um centro de convenções. “Sempre respeitando o meio ambiente e a função principal do local, que é ser um espaço público de lazer."

O representante da Associação dos Amigos do Parque do Palácio na audiência, Humberto Hickel, disse que a discussão sobre a concessão é antiga. “Inclusive, projeto foi aprovado pela Câmara, mas não teve andamento. Após estudos, foi concluído que a área não pode ser alienada para terceiros e deve, sim, ficar sempre com a prefeitura", destacou. Os vereadores defenderam debate mais amplo. “O que queremos com as audiências é dar voz ativa à comunidade, buscando uma construção e o melhor para Canela", afirmou Ismael Viezze.

O projeto visa conceder o parque à iniciativa privada por 25 anos para revitalização e manutenção. Entre vários itens, prevê a construção de um centro de feiras e da sede da Secretaria de Turismo, além de conservação de área de lazer para a comunidade. O investimento é estimado em R$ 60 milhões, que seria bancado pela empresa, como contrapartida à concessão.