Correio do Povo | Notícias | Prefeitura de Caxias do Sul combate a proliferação de pombos

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de Setembro de 2018

  • 06/08/2018
  • 08:56
  • Atualização: 09:11

Prefeitura de Caxias do Sul combate a proliferação de pombos

Plano de ação busca evitar que as pessoas alimentem os animais nas praças do município

O objetivo é reduzir o número de pombos na cidade | Foto: Celso Sgorla / Especial / CP

O objetivo é reduzir o número de pombos na cidade | Foto: Celso Sgorla / Especial / CP

  • Comentários
  • Celso Sgorla

A proliferação desenfreada de pombos em Caxias do Sul está preocupando a administração municipal. Com o objetivo de reduzir e controlar a população das aves, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma) apresentou um plano de ação. Conforme a secretária Patrícia Rasia, proposta é dividida em três fases: educação e informação à população sobre os riscos da concentração das aves e a importância da não alimentação; intensificação da fiscalização e aplicação de multa para quem alimentar os animais; e coleta de amostras de fezes e de pombos para análise. Desenvolvido por veterinários, o plano tem base em estudos feitos em municípios como Rio Grande.

“Uma grande concentração de aves num mesmo local pode trazer doenças. A melhor maneira para que os pombos desocupem o Centro de forma natural é que não tenham acesso à alimentação ou a espaços onde possam construir suas moradas, pois, assim, buscarão alimentos fora da área urbana”, explica Marcelly Paes, veterinária e diretora do Departamento de Proteção e Bem-Estar Animal da Semma. Praças como a Dante Alighieri, João Pessoa e a da Bandeira, no Centro, concentram em média 7 mil animais. “A grande oferta de alimento faz com que não tenhamos controle da reprodução: em vez de duas reproduções anuais, como seria o normal, elas estão procriando seis vezes por ano. Um pombo pode viver na natureza até 15 anos, mas, nessas condições, estão vivendo de três a cinco anos”.

A veterinária afirma ainda que os animais estão obesos e sem predadores, ou seja, não estão em condições determinadas pela natureza, mas pelo ser humano. O plano também terá eficácia para a redução do número de roedores nas praças, uma vez que eles buscam nos locais restos de alimentos dos pombos.