Correio do Povo | Notícias | Placas de bronze são retiradas de monumentos de Caxias do Sul para evitar furtos

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

  • 13/08/2018
  • 13:30
  • Atualização: 13:55

Placas de bronze são retiradas de monumentos de Caxias do Sul para evitar furtos

A retirada do material aconteceu nas praças Dante Alighieri e João Pessoa

Funcionários da prefeitura retiraram a placa em homenagem ao escritor Dante Alighieri | Foto: Caroline Santi Pegoraro / Divulgação / CP

Funcionários da prefeitura retiraram a placa em homenagem ao escritor Dante Alighieri | Foto: Caroline Santi Pegoraro / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Celso Sgorla

A Secretaria Municipal de Cultura de Caxias do Sul retirou as placas de bronze de todos os monumentos das praças Dante Alighieri, a principal da cidade, e João Pessoa, no bairro São Pelegrino. A decisão foi tomada após registros de crimes contra o patrimônio público. A coordenadora da Divisão de Proteção ao Patrimônio Histórico e Cultural (DIPPAHC), Heloíse Salvador, afirma que a preocupação é de que as placas restantes também poderiam ser furtadas.

Por enquanto, a retirada ocorreu apenas nesta duas praças, mas outros pontos da cidade podem ser indicados pela DIPPAHC. Nas últimas semanas, criminosos furtaram as placas dos monumentos Rosa dos Ventos e Gigia Bandera, ambos na Dante Alighieri, e do busto em homenagem ao empresário Cândido João Calcagnotto, na Praça da Bandeira. Segundo Heloíse, as placas retiradas serão substituídas por outras mais baratas, de acrílico, que tem pouco valor de troca para os criminosos.

“Optamos por essa ação emergencial para preservar o bem público. Nos próximos dias, procederemos com os orçamentos e confecção das novas placas a serem afixadas”, planeja a coordenadora. O material retirado será guardado e, em breve, será exposto possivelmente em museus. A Secretaria de Cultura pretende organizar seminários para falar sobre a importância da preservação do patrimônio histórico. “Todo esse problema é de base. Não só a educação patrimonial, mas o que considerar de valor em um bem e, principalmente, legislação. A maioria nem notou que as placas foram roubadas", afirma.