Correio do Povo | Notícias | Mantenedora do Hospital Dom Bosco, de Santa Rosa, será extinta

Porto Alegre

27ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

  • 14/08/2018
  • 11:50
  • Atualização: 15:46

Mantenedora do Hospital Dom Bosco, de Santa Rosa, será extinta

Decisão foi tomada devido à crise financeira que dificulta o atendimento na instituição

As dívidas do hospital chegam a R$ 16 milhões | Foto: Felipe Dorneles / Especial / CP

As dívidas do hospital chegam a R$ 16 milhões | Foto: Felipe Dorneles / Especial / CP

  • Comentários
  • Felipe Dorneles

Uma assembleia extraordinária que reuniu sócios e membros do conselho fiscal da Associação Beneficente Dom Bosco, mantedora do Hospital Dom Bosco, de Santa Rosa, definiu pela dissolução da entidade. A decisão foi tomada devido à crise financeira que há anos dificulta as atividades e atendimento na casa de saúde. Milton Dummel, que já foi presidente da mantenedora e na noite de segunda-feira presidiu a assembleia, revela que foram 16 votos favoráveis à extinção, cinco contra e três votos impugnados.

“Estamos encaminhando uma dissolução extrajudicial. As dívidas estão cada vez maiores, e não tem mais como reverter esta situação”, revela. As dívidas fiscais e trabalhistas chegam a R$ 16 milhões. Na assembleia, também foi estimado que o ativo da entidade, que considera o terreno, estrutura e equipamentos, seja entre R$ 15 e R$ 20 milhões. Um interventor será nomeado pela associação e deve utilizar patrimônio da instituição para solucionar as dívidas e salários em atraso. Há a expectativa de que um grupo de empresários assuma a gestão.

O Hospital Vida & Saúde deve assumir apenas os serviços que a entidade presta em contrato com a Fundação Municipal de Saúde. O atendimento à população e o emprego dos colaboradores estão mantidos. “Vamos garantir este atendimento à população que depende do Sistema Único de Saúde”, destaca o presidente do Hospital Vida & Saúde, Rubens Zamberlan. Recorrentes problemas como greves de colaboradores por atraso no pagamento dos salários, o fechamento da Unidade de Tratamento Intensivo pela Vigilância Sanitária e a renúncia do conselho no mês passado foram fatos que motivaram a decisão.