Correio do Povo | Notícias | Prefeitura de Pelotas aciona laboratório na Justiça para obter exames

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 17 de Novembro de 2018

  • 16/08/2018
  • 19:49
  • Atualização: 15:18

Prefeitura de Pelotas aciona laboratório na Justiça para obter exames

SEG justifica que MP já faz investigação das amostras de cólo de útero coletadas

SEG justifica que MP já faz investigação das amostras de cólo de útero coletadas | Foto: Gustavo Vara / Prefeitura de Pelotas / Divulgação CP

SEG justifica que MP já faz investigação das amostras de cólo de útero coletadas | Foto: Gustavo Vara / Prefeitura de Pelotas / Divulgação CP

  • Comentários
  • Angélica Silveira

A Prefeitura de Pelotas, no Sul do Estado, entrou na Justiça para pedir a liberação das lâminas dos exames citopatológicos realizados pelo Serviço Especializado de Ginecologia (SEG). A determinação é da prefeita Paula Mascarenhas, que busca encaminhar o material para reanálise no Hospital das Clínicas, em Porto Alegre. A instituição possui unidade certificada para realizar este tipo de procedimento. Segundo a prefeitura, a SEG não quer liberar o acesso às amostras.

Em razão disto, a Procuradoria-Geral do Município entrou com uma ação nesta quinta-feira, de produção antecipada de prova, que busca garantir as lâminas necessárias para a contraprova. “Queremos a verdade. Não estamos acusando ninguém, mas precisamos ter estas respostas e garantir a segurança das milhares de usuárias do SUS na cidade”, afirmou a prefeita.

O município quer refazer 2,1 mil testes no período entre 2014 e 2017, número considerado cientificamente suficiente para apontar se ocorreram problemas ou não nos resultados. A quantidade de laudos reavaliados foi determinada pelo médico epidemiologista César Victora, que coordena o Centro Internacional de Equidade em Saúde da Universidade Federal de Pelotas. O Ministério Público recolheu em 20 de julho, 17 mil amostras de pré-câncer correspondentes ao período de janeiro de 2017 a junho de 2018 armazenadas no laboratório que está sendo investigado por supostamente realizar a análise por amostragem dos exames.

O material foi levado ao Instituto-Geral de Perícias (IGP) em Porto Alegre, onde permanece sob custódia até ser periciado. A advogada do laboratório Cristiane Ualt da Fonseca afirma que o momento é delicado para que o SEG ceda o material para o município. “Parte dos exames, do período de 2017 e 2018, que são em torno de 17 mil lâminas, estão em poder de uma instituição séria e imparcial, que é o Ministério Público”, relata. Ela lembra que o MP e a Polícia Federal também estão realizando suas investigações. “Acredito que neste momento, assim como o laboratório, a prefeitura deveria aguardar o final destas investigações, já que também é parte interessada”, justifica.


TAGS » Saúde, Cidades, Pelotas