Correio do Povo | Notícias | Cemitério é o primeiro patrimônio tombado pelo município em Flores da Cunha

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

  • 20/08/2018
  • 10:19
  • Atualização: 10:50

Cemitério é o primeiro patrimônio tombado pelo município em Flores da Cunha

Localizado no Travessão Martins, espaço passou a ser chamado Campo Santo dos Imigrantes

Com o tombamento, o cemitério passou a ser patrimônio do município | Foto: Fábio Carnesella / Divulgação / CP

Com o tombamento, o cemitério passou a ser patrimônio do município | Foto: Fábio Carnesella / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Celso Sgorla

O antigo cemitério da Capela São Martinho, no Travessão Martins, é o primeiro patrimônio histórico cultural tombado pelo município de Flores da Cunha e passou a ser denominado Campo Santo dos Imigrantes. O decreto do tombamento foi assinado neste mês pelo prefeito Lídio Scortegagna. O nome São Martinho tem sua origem ligada aos imigrantes italianos que chegaram na localidade em 1877.

O Campo Santo dos Imigrantes está localizado ao lado da Estrada Municipal Ricardo Panizzon. O local possui uma cerca feita artesanalmente de pedras, covas subterrâneas com sete palmos, pois até esta altura a terra era considerada benta, e também é formado por diversas cruzes com desenhos em arabesco. Além destas características, o campo santo possui outra curiosidade: o limbo, construído fora dos limites bentos do cemitério, onde eram enterrados os não batizados, os desconhecidos e as crianças que morriam antes de ser batizadas.

Já as cruzes menores, localizadas no fundo do cemitério, foram colocadas recentemente, em 2015, para marcar o local onde foram sepultados os soldados da Revolução de 1923. O único monumento do cemitério é o da sepultura de um dos pioneiros do local, Domenico Caldart, chegado no Travessão Martins em 15 de fevereiro de 1883 e falecido em 1908. O terreno do cemitério foi comprado em 2016 por famílias da região e descendentes de Caldart para ser preservado. Com o decreto, o local foi desapropriado pelo município.