Correio do Povo | Notícias | Para Fiergs, aumento de juros afeta perspectivas para 2014

Porto Alegre

16ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

  • 27/11/2013
  • 23:26
  • Atualização: 23:28

Para Fiergs, aumento de juros afeta perspectivas para 2014

Presidente da entidade afirmou que novo aumento reduz possibilidade de investimentos

  • Comentários
  • Correio do Povo e Agência Brasil

O aumento de meio ponto percentual na taxa Selic não foi bem recebida pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Para o presidente da entidade, Heitor José Müller, a nova elevação afeta as perspectivas para 2014. A taxa Selic, agora, é de 10% ao ano.

“O aumento dos juros penaliza a recuperação da economia brasileira e afeta as perspectivas para o próximo ano. Contudo, não podemos descuidar da estabilidade e, nesse caso, a política fiscal precisa dar a sua contribuição através do controle dos gastos públicos. Isso é especialmente importante em um ano marcado por eleições e por eventos públicos, como a Copa do Mundo de 2014”, comentou.

Para ele, o aumento dos juros também reduz a possibilidade de investimos produtivos no Rio Grande do Sul, em função, sobretudo, da baixa confiança do empresário gaúcho, temoroso com a atividade econômica do Brasil.

Em nota, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) avalia que os aumentos da taxa básica de juros estão freando o crescimento da economia brasileira. “Trata-se de um aumento equivocado, pois em 2013, enquanto os países emergentes devem registrar crescimento de 4,5%, o Brasil registrará um crescimento próximo de 2,5%. Isso é muito menos do que precisamos”, destaca a nota assinada pelo presidente da federação, Paulo Skaf.

“Essa política econômica não funciona mais. Se queremos resultados diferentes, precisamos fazer diferente. O Brasil precisa de um novo foco na política econômica: maior controle dos gastos, mais investimento público, mais concessões e menores taxas de juros”, acrescenta o texto

Entidades como Força Sindical e Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro também criticaram a elevação, anunciada após reunião do Comitê de Política Monetária nesta quarta-feira.

Bookmark and Share