Correio do Povo | Notícias | Maio foi o melhor mês nas exportações de veículos da história, diz Anfavea

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

  • 06/06/2017
  • 13:20
  • Atualização: 13:21

Maio foi o melhor mês nas exportações de veículos da história, diz Anfavea

Ao todo, foram comercializados 73,4 mil carros, utilitários, caminhões e ônibus

Venda de veículos automotores foi a maior da história, segundo a Anfavea | Foto: Porto de Rio Grande / Divulgação / CP memória

Venda de veículos automotores foi a maior da história, segundo a Anfavea | Foto: Porto de Rio Grande / Divulgação / CP memória

  • Comentários
  • AE

No melhor mês das exportações de veículos da história, as montadoras embarcaram em maio 73,4 mil carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus, uma alta de 51,1% na comparação com igual período de 2016. Frente a abril, os volumes exportados subiram 21%.

O resultado leva para 307,6 mil veículos o total exportado nos cinco primeiros meses do ano, alta de 61,8% e também o maior volume acumulado, entre períodos equivalentes, da história. Os números foram divulgados nesta terça-feira, 6, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), entidade que representa as montadoras instaladas no País.

O faturamento dessa indústria com exportações subiu 56,9% em maio, na comparação com igual período de 2016, chegando a US$ 1,47 bilhão. Em relação a abril, houve alta de 19,9% no montante obtido pelo setor com embarques ao exterior.

O resultado leva para US$ 6,04 bilhões - alta de 52,7% no comparativo interanual - o total faturado nos cinco primeiros meses do ano. Além de veículos, o balanço inclui as exportações de autopeças feitas pelas montadoras, assim como as vendas externas das fábricas de máquinas agrícolas, também associadas à Anfavea.

Insuficiente

Apesar do desempenho recorde, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, disse, durante a apresentação do resultado à imprensa, que o crescimento das exportações é insuficiente para compensar a fragilidade do mercado interno, o que faz a indústria automobilística seguir operando com ociosidade superior a 50%. Só nas fábricas de caminhões, a ociosidade gira ao redor de 80%.