Correio do Povo | Notícias | Meirelles: importante é que BNDES devolva R$ 130 bilhões em 2018

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

  • 13/01/2018
  • 16:28
  • Atualização: 16:30

Meirelles: importante é que BNDES devolva R$ 130 bilhões em 2018

Maior parte do dinheiro deve ser repassado no segundo semestre do ano

Meirelles: importante é que BNDES devolva R$ 130 bilhões em 2018  | Foto: Ministério da Fazenda / Divulgação / CP

Meirelles: importante é que BNDES devolva R$ 130 bilhões em 2018 | Foto: Ministério da Fazenda / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou neste sábado que é importante que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) devolva antecipadamente os R$ 130 bilhões de sua dívida com o Tesouro Nacional, como pedido pelo Ministério da Fazenda ano passado. A devolução pode ser feita tanto de uma vez quanto em parcelas.

"Vamos esperar o recebimento neste ano. Se será de uma vez ou mais de uma, o importante é que o total seja recebido durante o ano de 2018", afirmou Meirelles, no Rio, onde teve reunião com pesquisadores da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Na sexta-feira, o Broadcast informou que o BNDES apresentou durante a semana ao governo federal uma proposta para devolver, ainda no primeiro semestre deste ano, R$ 30 bilhões. Os outros R$ 100 bilhões seriam repassados no segundo semestre. Na segunda-feira, o diretor financeiro da instituição de fomento, Carlos Thadeu de Freitas, havia dito que o BNDES se preparou para tirar R$ 130 bilhões de seu caixa neste ano, mas o valor deve ser distribuído entre as demandas do Tesouro Nacional, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do fundo do PIS/Pasep.

Segundo Meirelles, a devolução antecipada será determinada pelo Conselho de Administração do BNDES. "Certamente isso será discutido no conselho. O presidente do conselho é o secretário-executivo do Ministério do Planejamento (Esteves Pedro Colnago Junior), que certamente vai pautar isso", afirmou o ministro.