Correio do Povo | Notícias | Tempo mínimo de 25 anos para aposentadoria de servidor foi mantido, diz relator

Porto Alegre

9ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de Maio de 2018

  • 07/02/2018
  • 13:21
  • Atualização: 13:27

Tempo mínimo de 25 anos para aposentadoria de servidor foi mantido, diz relator

Arthur Maia (PPS-BA) descartou qualquer mudança na proposta

Arthur Maia (PPS-BA) descartou qualquer mudança na proposta | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

Arthur Maia (PPS-BA) descartou qualquer mudança na proposta | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

O relator da proposta de reforma da Previdência, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), descartou qualquer mudança na proposta apresentada nesta quarta-feira até o início das discussões em plenário. Segundo ele, não há mudança significativa no custo da economia (a economia prevista com a sua aprovação) decorrente da alteração, que garante

aposentadoria integral para os viúvos e viúvas de policiais mortos em ação. "Uma economia de R$ 400 bilhões, R$ 500 bilhões já um grande negócio", avaliou o relator.

Segundo ele, qualquer alteração traz custo, mas a não aprovação da proposta de reforma traz um custo também que pode ser maior. O relator explicou que manteve no texto o tempo mínimo de contribuição de 25 anos para os servidores públicos se aposentarem porque têm estabilidade no emprego. Já para os trabalhadores da iniciativa privada o tempo caiu para 15 anos. Arthur Maia disse que todas as mudanças foram tratadas com a equipe econômica. O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e o relator disseram que é inegociável alteração na idade mínima para aposentadoria fixada na proposta: 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

"Não há possibilidade de excluirmos exigência da idade mínima", disse Arthur Maia. "Não dá para discutir idade mínima.

É pressuposto básico da reforma", afirmou o líder do governo. Ele disse que o governo terá, sim, os votos necessários para aprovar a reforma. Outro ponto inegociável é igualar as aposentadorias dos servidores públicos e os trabalhadores da iniciativa privada. "Os outros pontos todos estarão abertos para negociação", disse o relator. Ele avaliou que a reforma vai ajudar o problema fiscal dos governadores. "Governadores mostraram a falência da previdência", ponderou.