Correio do Povo | Notícias | Banco Mundial pede prudência a Trump sob taxas na importação de aço

Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 23 de Junho de 2018

  • 08/03/2018
  • 11:41
  • Atualização: 12:17

Banco Mundial pede prudência a Trump sob taxas na importação de aço

Jyrki Katainen lembrou da crise de desemprego quando George W. Bush tomou mesma atitude

Banco Mundial pede prudência a Trump | Foto: Mandel Ngan / AFP / CP

Banco Mundial pede prudência a Trump | Foto: Mandel Ngan / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A diretora do Banco Mundial, Kristalina Georgieva, advertiu nesta quinta-feira o presidente americano Donald Trump contra uma guerra comercial e aconselhou-o a "avaliar cuidadosamente as consequências de sua decisão" de taxar as importações de aço e alumínio.

"Se você toma uma decisão, deve avaliar as consequências e depois informar sobre essas consequências", declarou durante uma entrevista coletiva em Bruxelas ao lado do vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen. "As guerras comerciais não têm vencedor", advertiu Katainen, lembrando as "centenas de milhares de empregos perdidos nos Estados Unidos" quando o presidente George W. Bush impôs impostos sobre as importações de aço.

"Quando o comércio encolhe, tem consequências para as pessoas mais pobres nos países ricos", alertou. "Os bens estão se tornando mais caros e isso tem um impacto nos orçamentos dos mais pobres", ressaltou. "Nós não sabemos se o presidente Donald Trump vai assinar e ainda há alguma esperança de que não assine o que anunciou em sua conta no Twitter", disse Katainen.

"É muito preocupante que o presidente Trump esteja tentando resolver o problema do déficit comercial erguendo barreiras alfandegárias. A história mostra que esse remédio não funciona", lamentou. Trump anunciou nesta quinta que vai encontrar produtores de aço americanos e se comprometeu a mostrar "grande flexibilidade e cooperação com amigos verdadeiros que nos tratam justamente". O presidente republicano anunciou há uma semana sua intenção de impor 25% de taxas sobre as importações de aço e 10% sobre o alumínio.