Correio do Povo | Notícias | BNDES investirá R$ 20 milhões para implementar tecnologias na educação

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Setembro de 2018

  • 27/04/2018
  • 15:42
  • Atualização: 15:52

BNDES investirá R$ 20 milhões para implementar tecnologias na educação

Parceira tem como objetivo levar internet à todas as escolas públicas até 2024

  • Comentários
  • Agência Brasil

O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta sexta-feira uma chamada pública para apoiar projetos de incorporação de tecnologias digitais na educação pública. Serão disponibilizados pela instituição R$ 20 milhões não reembolsáveis do Fundo Social do BNDES. O edital é uma parceria com o Ministério da Educação e integra o Programa de Inovação Educação Conectada do governo federal, lançado em novembro, que tem como objetivo levar, até 2024, internet de alta velocidade e assegurar a inserção tecnológica como ferramenta pedagógica a todas as escolas públicas.

Segundo o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, são esperados na chamada pública projetos em áreas como motivação de alunos e professores, evolução de indicadores educacionais dos projetos, melhorias na qualidade do ensino, equidade, gestão das redes e escolas e promoção de maior aprendizado escolar. Ele adiantou que o setor privado também deve aportar recursos no projeto.

"Não é uma soma de recursos muito vultuosa, mas ele vai ser adicionado de recursos do próprio setor privado. A Fundação Lemann já demostrou interesse de aportar algum recurso e a gente espera levantar uns R$ 15 milhões com os parceiros". Os projetos devem ter por objetivo um dos quatro eixos estruturantes do programa: visão, formação, recursos educacionais digitais e infraestrutura, para aplicação em escolas públicas de ensino fundamental e médio. Os estados e o Distrito Federal devem manifestar interesse em apresentar propostas de projetos até o dia 15 de maio.

Serão selecionados cinco projetos e outros cinco ficarão em uma lista de espera. O edital está disponível no site e as operações serão contratadas até o dia 31 de dezembro, com coordenação do BNDES e suporte técnico do Centro para Inovação da Educação Brasileira (CIEB), que já atua em parceria com o MEC.

Modelos

O ministro da Educação, Rossieli Soares, explicou que o objetivo do edital é testar modelos efetivos de uso da tecnologia na educação, para depois atuar no longo prazo com maior escala.

"Essa etapa do edital do BNDES é muito importante para um acompanhamento de qualidade, testar políticas novas, de como funciona em uma escola ou em uma rede que deseja. É muito importante para que a gente não faça investimentos que depois não conseguem ser replicáveis. A gente precisa ter políticas que funcionem, que apoiem a educação naquilo que é fundamental. Não é a educação de qualquer jeito usando a tecnologia, é a tecnologia apoiando a educação. Essa deve ser a ordem, e mirando em resultados que apoiem efetivamente isso, ou seja, colocar experiências e testá-las".

Sobre o programa Educação Conectada, o ministro disse que todos os municípios já estão com uma pessoa fazendo a formação com bolsa do ministério, "para discutir tecnologia, a criação de um planejamento, a visão de como usar a tecnologia na sala de aula da rede deles, como utilizar coletivamente, como pensar com os professores como a tecnologia pode usar".

São 6 mil pessoas passando pela formação, que tem investimento de R$ 15 milhões. Segundo Soares, ainda em 2018 serão investidos R$ 100 milhões para levar a internet de alta velocidade a 22,5 mil escolas urbanas e 6,5 mil rurais, que já estão aptas a participar do processo e estão fazendo as adesões e entregando os planejamentos.

Quanto à Plataforma Integrada de Recursos Educacionais Digitais (RED), o ministro disse que está em processo de implantação e já conta com milhares de professores usuários e cerca de 40 parceiros que fornecem conteúdo.

"A plataforma pega todos os parceiros que fazem uma curadoria e mantém nas suas plataformas. A plataforma integrada ajuda a conectar o professor com esses conteúdos que foram curados por essas instituições credenciadas no Ministério da Educação. São parceiros a Fundação Roberto Marinho, por exemplo. E o professor pode ter acesso ao plano de aula de outros professores, usar igual ou como referência."