Correio do Povo | Notícias | Inflação medida pelo IPC-S acumula alta de 3% no 1º semestre

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 02/07/2018
  • 09:21
  • Atualização: 09:29

Inflação medida pelo IPC-S acumula alta de 3% no 1º semestre

Alta do grupo habitação teve forte influência do item tarifa de eletricidade residencia

Inflação medida pelo IPC-S acumula alta de 3% no 1º semestre | Foto: Ricardo Giusti / CP Memória

Inflação medida pelo IPC-S acumula alta de 3% no 1º semestre | Foto: Ricardo Giusti / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) subiu 1,19% na última semana do mês de junho, registrando alta de 0,2 ponto percentual em relação à semana imediatamente anterior. Com a alta da última semana do mês, o IPC-S fechou os primeiros seis meses do ano com variação acumulada de 3%. 

Os dados relativos ao indicador foram divulgados nesta segunda-feira, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), e indicam que o IPC-S acumulado nos últimos 12 meses é de 4,43%. A alta da última semana de junho reflete variações positivas de preços em quatro das oito classes de despesas, com destaque para o grupo habitação, cuja taxa passou de 1,51% para 1,93% - alta de 0,4 ponto percentual em relação à terceira semana do mês.

A alta do grupo habitação teve forte influência do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 7,16% para 8,83% - variação de 1,67 ponto percentual em relação à terceira semana do mês. Também registraram alta os grupos educação, leitura e recreação, cuja taxa passou de -0,07% para 0,28%; Comunicação (de 0,22% para 0,32%); e Despesas Diversas (0,10% para 0,15%).

Entre os quatro grupos que registram queda de preços, o destaque para alimentação, que variou de 1,80% para 1,59%, queda de 0,21 ponto percentual em relação à semana imediatamente anterior. Transportes passou de 1,45% para 1,25%; Vestuário (de 0,73% para 0,20%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,49% para 0,40%).