Correio do Povo | Notícias | Alta brusca do dólar deixa mais caro prato típico brasileiro

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 25/08/2018
  • 09:24
  • Atualização: 09:26

Alta brusca do dólar deixa mais caro prato típico brasileiro

Moeda norte-americana tem impacto direto nos preços de produtos como arroz, feijão, óleo, pão, massas e carne

Alta brusca do dólar deixa mais caro prato típico brasileiro | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

Alta brusca do dólar deixa mais caro prato típico brasileiro | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

  • Comentários
  • R7

A alta do dólar pode refletir no cotidiano do brasileiro e até aumentar a inflação. Nesta quinta-feira, a moeda norte-americana fechou em R$ 4,1230 na venda, maior patamar desde 21 de janeiro de 2016, quando foi a R$ 4,1655 e bateu o recorde do Plano Real. Nesta sexta-feira, o dólar caiu após sete altas e fechou negociado a R$ 4,10.

Ao R7, o economista André Perfeito explica que o valor da moeda afeta diretamente a vida dos brasileiros. “O dólar tem a ver com o poder de compra do cidadão. Se o dólar sobe e o real cai, diminui o poder de compra do brasileiro.”

Ainda de acordo com o economista, a indústria alimentícia pode repassar o aumento à população. Com isso, os preços da comida básica do brasileiro, arroz, feijão, carnes, aves, pão, massas e o óleo de cozinha podem subir.

“No longo prazo, tem uma situação em que os preços dos importados ficam caros para a população brasileira que nem viaja. Isso porque aumenta o combustível e isso reflete na alimentação, que logo chega na população e por aí vai”, avalia.

Esse repasse para a população pode vir mesmo após o governo subsidiar o diesel para evitar um aumento no preço do litro. Apesar da ajuda do governo, o dólar fez com que o valor do combustível aumentasse nas refinarias. A diferença, segundo o economista, será repassada ao consumidor. Com esse cenário de aumento dos preços dos produtos e dos combustíveis, “é muito provável o aumento de inflação”, diz André.

Apesar de ter atingido o maior patamar em dois anos, o economista diz acreditar que o dólar pode ficar ainda mais caro nos próximos dias. “Para além dos nossos problemas internos por causa das eleições, tem o cenário externo que não é favorável. Entre eles, a guerra comercial dos Estados Unidos com os outros países, principalmente com a Turquia. Isso está inflamando bastante os ânimos e contribuindo para a alta do dólar.” O impacto do valor alto do dólar na comida, porém, vai depender do tempo em que a moeda norte-americana se mantiver com um preço alto.