Correio do Povo | Notícias | Brasil tem 12,9 milhões de desempregados, diz IBGE

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 22 de Setembro de 2018

  • 30/08/2018
  • 09:56
  • Atualização: 12:41

Brasil tem 12,9 milhões de desempregados, diz IBGE

Taxa de desocupação do trimestre de maio a julho recuou para 12,3%

Desemprego atinge 12,9 milhões de pessoas | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

Desemprego atinge 12,9 milhões de pessoas | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Apesar da taxa de desocupação ter recuado no trimestre de maio a julho, ficando em 12,3%, o número de desempregados ainda é alto no País. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta quinta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 12,9 milhões de brasileiros estão desempregados. No trimestre de fevereiro a abril, a desocupação atingia 13,4 milhões de pessoas.

A redução na taxa de desocupação ainda é singela. Se comparado ao trimestre de fevereiro a abril, diminuiu 0,6 ponto percentual, passando de 12,9% para 12,3% no trimestre finalizado em julho. E em relação ao mesmo trimestre de 2017  a redução foi de 0,5 ponto percentual.

Já a população subutilizada chega a 27,6 milhões de pessoas - sendo que no trimestre anterior era de 27,5 milhões. A taxa deste trimestre (24,5%) ficou estável se comparada a dos três meses anteriores (24,6%). Em relação ao mesmo trimestre de 2017, houve alta de 0,5 ponto percentual. Na época, a população subutilizada era de 26,6 milhões.

Cresce número de empreendedores

Na contrapartida da falta de emprego, o número de trabalhadores que empreenderam cresceu neste trimestre se comparado ao mesmo período do ano anterior. A alta foi de 2,1% e representa que mais 483 mil pessoas começaram a trabalhar por conta própria.

Com isso, a população ocupada cresceu 1,1% neste trimestre se comparado aos mesmos três meses de 2017, chegando a 91,7 milhões de pessoas. Já o número de empregados com carteira de trabalho assinada (33 milhões) ficou estável em ambas as comparações.

O rendimento médio real habitual no trimestre de maio a julho de 2018 ficou em R$ 2.205 e registrou estabilidade frente ao trimestre de fevereiro a abril de 2018 e também em relação ao mesmo trimestre do ano anterior (R$ 2.188).