Correio do Povo | Notícias | Em linha com exterior, dólar abre em forte alta ante real

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 04/09/2018
  • 09:55
  • Atualização: 10:05

Em linha com exterior, dólar abre em forte alta ante real

Contrato para outubro abriu a R$ 4,2001 e na máxima, chegou a valer R$ 4,2045

Em linha com exterior, dólar abre em forte alta ante real | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

Em linha com exterior, dólar abre em forte alta ante real | Foto: Marcos Santos / USP Imagens / CP

  • Comentários
  • AE

O dólar abriu forte ante o real, sinalizando a possibilidade de superar os R$ 4,20 no mercado à vista. No segmento futuro, esse patamar já foi superado. O contrato para outubro abriu a R$ 4,2001 e na máxima, chegou a valer R$ 4,2045. A intensidade da alta no câmbio doméstico é a mesma observada ante emergentes no mercado global. A moeda, inclusive, sobe perante todas as divisas pares, ligadas a commodities e também perante as desenvolvidas. 

No exterior, os índices acionários futuros em NY e as bolsas na Europa caem em meio a temores com o desfecho das negociações entre Estados Unidos e parceiros, sobretudo o Canadá. Além disso, os agentes globais seguem atentos ao desdobramento da reunião do governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Nesta terça-feira, o ministro das Finanças argentino, Nicolás Dujovne, e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, discutem em Washington uma revisão no pacote de ajuda para o país sul-americano.

Às 9h20, o dólar à vista subia 0,62% aos R$ 4,1763 e estava, portanto, perto da mínima intraday (R$ 4,1748 em alta de 0,50%). Na máxima, o dólar spot marcara R$ 4,1938. O contrato para outubro avançava 0,62% aos R$ 4,1940. Na máxima, chegou a valer R$ 4,2045. No exterior, o dólar subia 1,07% ante o peso mexicano e estava estável (+0,1%) perante o peso argentino. Já o Dollar Index (DXY) subia 0,45% aos 95,565 pontos.

O resultado da produção industrial em julho (-0,2% ante junho), divulgado pelo IBGE, ficou em segundo plano. A queda veio menor que a mediana das estimativas mas dentro do intervalo das expectativas obtido pelo Projeções Broadcast.