Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 17 de Dezembro de 2017

  • 19/04/2016
  • 09:38
  • Atualização: 10:23

Cpers entra com representação contra Sartori por improbidade administrativa

Sindicato dos professores questiona gastos do governo com propaganda

 Entidade questiona investimento do governo em propaganda | Foto: Caco Argemi / Site Cpers / CP

Entidade questiona investimento do governo em propaganda | Foto: Caco Argemi / Site Cpers / CP

  • Comentários
  • Vitória Famer / Rádio Guaíba

A direção central do Cpers/Sindicato ingressou com uma representação no Ministério Público (MP), nessa segunda-feira, contra o governador José Ivo Sartori (PMDB) por ato de improbidade administrativa. A entidade solicitou a instauração de inquérito civil público. Segundo a presidente do sindicato, Helenir Schürer, o governo alega que não possui dinheiro para realizar o pagamento do salário dos servidores mas, nos últimos meses, gastou um valor significativo com propaganda.

“Nós temos uma liminar do Judiciário que proíbe o governo de parcelar salários da nossa categoria e continuou parceland, mas faz um investimento pesado em propaganda. Queremos esclarecimento: como é possível um governo dizer que não tem dinheiro para pagar nosso salário em dia, mas tem dinheiro para aplicar em propaganda. Então, nós ajuizamos nessa segunda e vamos aguardar o posicionamento da justiça”, relatou Helenir Schürer.

Segundo o Cpers, ao não pagar a remuneração mensal dos servidores, além de violar a Constituição Federal e a Estadual, o governo também descumpre ordens do Poder Judiciário, o que configuraria ato de improbidade do governador, pois existe decisão liminar que determinou a proibição do parcelamento de salários.

“Estamos diante de situação inaceitável: a Administração Pública opta por investir em campanhas publicitárias com conteúdo diverso daquele permitido na Constituição em detrimento do pagamento da verba alimentar dos seus próprios servidores. Tal situação burla à previsão constitucional dos gastos em campanhas publicitárias, justamente no momento de suposta retenção de gastos e crise financeira”, lamentou Helenir.

Sobre os atrasos salariais ocorridos desde março de 2015, o Cpers chamou de “terrorismo” o que o governo do Estado vem fazendo ao não garantir se a cada mês será possível pagar os professores. A entidade também apontou que o atraso sistemático dos salários causa prejuízos irreparáveis aos servidores públicos.