Correio do Povo | Notícias | Professores com mais de cinco anos foram alvos de demissão, diz ex-docente da UniRitter

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 17 de Julho de 2018

  • 15/12/2017
  • 21:07
  • Atualização: 21:35

Professores com mais de cinco anos foram alvos de demissão, diz ex-docente da UniRitter

Profissional comentou que grupo chamado para reunião na quinta-feira foi todo desligado da universidade

Profissional comentou que grupo chamado para reunião na quinta-feira foi todo desligado da universidade | Foto: Gabriel Zanella / UniRitter / Divulgação CP

Profissional comentou que grupo chamado para reunião na quinta-feira foi todo desligado da universidade | Foto: Gabriel Zanella / UniRitter / Divulgação CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Um dos professores demitidos pela UniRitter nesta semana relatou que os alvos dos desligamentos foram profissionais com mais de cinco anos de casa, assim como mestres e doutores. “Ficaram uma maioria de especialistas. Pessoas com 10 ou 15 anos lecionando foram mandadas embora”, comentou o docente, que pediu para não ser identificado. A universidade não divulgou quantos professores foram desligados.

O professor comentou que algumas demissões sempre foram procedimentos normais ao fim do ano, mas dessa vez, ocorreram em muito maior número, e sem aviso. “A universidade chamou para uma reunião, um grupo na quarta-feira e outro na quinta”, narrou. “Questionamos o Sinpro-RS, que foi relatado de encontros formais para entrega de horários para o próximo semestre”, acrescentou o docente.

“Na quarta, os professores realmente tiveram suas folhas de horários entregues. Os que chegaram na Uniritter quinta, contudo, foram todos dispensados”, afirmou. “Para mim, alegaram necessidade de reestruturação, com a carga horária dos cursos diminuindo”, detalhou.

Ele relatou que, além das turmas aumentarem para 90 a 110 alunos (até agora eram 60), as disciplinas sofrerão redução de horário. As aulas, que eram marcadas num período das 7h às 11h, agora serão das 7h às 10h, conforme o docente demitido. “Teria redução de salário, o que seria ilegal. Por isso, ocorreram os desligamentos.”

A UniRitter confirmou, nesta sexta-feira, a demissão da reitora Laura Frantz e da pró-reitora Barbara Cardoso. O cargo será assumido por Germano Schwartz, que atuava como coordenador do mestrado de direitos humanos. Contudo, a universidade não informou o número de professores demitidos na quinta-feira.

Os alunos, contudo, estimam que cerca de 100 docentes tenham sido exonerados, principalmente dos cursos de Direito, Administração, Jornalismo e da área da Saúde, incluindo orientadores de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), paraninfos e homenageados.

Confira a nota da UniRitter:

Com o compromisso primeiro de atender ao interesse de nossos alunos, que exige melhoria contínua em nossos índices de qualidade acadêmica, e ciente das significativas transformações na Educação Superior e seu reflexo na modernização dos modelos tradicionais de ensino, a UniRitter confirma movimentações em seu corpo de professores.

Como uma Instituição de excelência, a UniRitter tem a qualidade como item irrevogável de suas ações, comprovada pelo Índice Geral de Cursos (IGC/INEP), que a coloca entre as 20% melhores Instituições de Ensino Superior (IES) privadas do Brasil. Nesse sentido, é importante destacar que a gestão docente abrange contratações, promoções e desligamentos, sendo parte da responsabilidade da Instituição de buscar as melhores práticas e a atualização contínua.

Compreendemos que alterações como essas, mesmo quando necessárias, nem sempre são fáceis para todas as partes. A UniRitter faz questão de adotar uma posição de respeito aos profissionais e agradece a todos pelo trabalho realizado até aqui. Informamos que será disponibilizado aos docentes desvinculados atividades que apoiam a recolocação no mercado. A Instituição esclarece, ainda, que as movimentações em seu corpo docente não têm qualquer relação com a nova legislação trabalhista.

Adicionalmente, a UniRitter informa que, a partir do desenho integrado das escolas de ensino, foi dada prioridade aos professores melhores avaliados na Comissão Própria de Avaliação (CPA), com readequação e recomposição da carga horária, permitindo a ampliação do vínculo com a instituição.