Correio do Povo | Notícias | MEC aguarda publicação do STF para definir ensino religioso nas escolas

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 17 de Julho de 2018

  • 20/12/2017
  • 19:13
  • Atualização: 19:19

MEC aguarda publicação do STF para definir ensino religioso nas escolas

Supremo autorizou disciplina nas escolas públicas em setembro

Base Nacional Comum Curricular foi homologada nesta quarta com a presença de Michel Temer e o ministro da educação, Mendonça Filho | Foto: André Nery / MEC / Divulgação / CP

Base Nacional Comum Curricular foi homologada nesta quarta com a presença de Michel Temer e o ministro da educação, Mendonça Filho | Foto: André Nery / MEC / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

O governo decidiu esperar a publicação da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a oferta de ensino religioso nas escolas para definir como ficará essa questão na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), homologada nesta quarta-feira. Em setembro, o STF autorizou o ensino religioso de natureza confessional nas escolas públicas.

"Temos que aguardar a conclusão e a coleta de todos os votos dos ministros para que possamos ter clareza com relação aos aspectos de constitucionalidade definidos pelo STF. Então, se houver necessidade, de acordo com a decisão do Supremo, nós enviaremos ao Conselho Nacional de Educação uma proposição para adequar a Base no que diz respeito ao ensino religioso à decisão do Supremo", explicou o ministro da Educação, Mendonça Filho.

O texto aprovado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) na semana passada prevê que o ensino religioso deve ser oferecido nas instituições públicas e privadas, mas como já ocorre e está previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a matrícula deverá ser optativa aos alunos do ensino fundamental.

Entre as competências para esse ensino estão a convivência com a diversidade de identidades, crenças, pensamentos, convicções, modos de ser e viver. O CNE ainda deverá decidir se o ensino religioso terá tratamento como área do conhecimento ou como componente curricular da área de ciências humanas, no Ensino Fundamental.