Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de Junho de 2017

  • 14/06/2017
  • 19:22
  • Atualização: 11:28

BOE da BM inicia ação para retirar ocupação Lanceiros Negros

Policiais lançaram bombas de gás e se mobilizaram com escudos em frente a prédio no Centro de Porto Alegre

Reintegração de prédio foi marcado por confronto entre Brigada Militar e ocupação | Foto: Mauro Schaefer

Reintegração de prédio foi marcado por confronto entre Brigada Militar e ocupação | Foto: Mauro Schaefer

  • Comentários
  • Correio do Povo

*Com informações das repórteres Jessica Hübler, Ananda Muller, Daiane Vivatti e Samantha Klein.

O Batalhão de Operações Especiais (BOE) da Brigada Militar começou operação, no início da noite desta quarta-feira, para retirar o movimento Lanceiros Negros do prédio ocupado na General Câmara, Centro de Porto Alegre. Os policiais chegaram em frente ao local, já munidos dos escudos e lançando bombas de gás lacrimogênio.

Ainda assim, os ocupantes do prédio resistiram inicialmente à carga do Batalhão de Choque. A ação é comandada pelo 9º Batalhão de Polícia Militar. Na ação, o deputado estadual Jeferson Fernandes teria sido agredido no local – em seguida ele teria sido detido. Um oficial de justiça deu voz de prisão, em meio ao confronto, para todos os que estavam bloqueando a desocupação. Muitos dos que saíram, com apoio de alguns populares, se mobilizaram na avenida Salgado FIlho e fizeram um cordão na avenida para protestar. A cavalaria da BM foi acionada para desbloquear o trânsito.

Presente no loca, o vereador do PSol, Roberto Robaina, condenou a "brutalidade" da polícia. "É uma situação absurda, usar força contra moradores. Prenderam um deputado, é completamente absurdo", lamentou. Seu correligionário, Pedro Ruas, reforçou o argumento. "Violência brutal da Brigada Militar. Esse prédio está desocupado há oito anos, essas famílias são queridas pela vizinhança", definiu.

“A gente está lutando pela nossa moradia”, diz integrante

“Várias pessoas que estão morando ali estão vindo de condições que já foram prejudicadas por enchentes e com a violência que existe na periferia, área de riscos. A gente está lutando pela nossa moradia, mas o governo não traz nenhuma opção a não ser nos retirar daqui”, disse um integrantes do movimento, André Ferraz.

Ele revelou que o objetivo do grupo era se manter o máximo possível no prédio. “A gente tem a ideia de resistir aqui até o máximo que der. Tem pessoas que não querem sair. Fora os moradores, outras pessoas manifestaram apoio e vão dormir aqui e vão continuar ocupando o prédio. Ninguém quis desocupar”, acrescentou Ferraz.

A Justiça expediu, nesta segunda-feira, a ordem de reintegração de posse da Ocupação Lanceiros Negros, no Centro de Porto Alegre. O prédio, de propriedade do governo gaúcho, é ocupado desde novembro de 2015. Com a decisão, da 7ª Vara da Fazenda Público do Foro Central, fica permitido o uso da força policial para que seja cumprida a ordem de saída dos manifestantes, a qualquer momento.