Correio do Povo | Notícias | Alagamentos e trechos de chão batido viram rotina para quem transita pela Ernesto Neugebauer

Porto Alegre

27ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de Julho de 2018

  • 16/04/2018
  • 15:21
  • Atualização: 15:49

Alagamentos e trechos de chão batido viram rotina para quem transita pela Ernesto Neugebauer

Prefeitura afirma que pavimentação e drenagem serão executadas no começo do próximo semestre

Prefeitura afirma que pavimentação e drenagem serão executadas no começo do próximo semestre | Foto: Guilherme Testa

Prefeitura afirma que pavimentação e drenagem serão executadas no começo do próximo semestre | Foto: Guilherme Testa

  • Comentários
  • Henrique Massaro

Um calçamento novo faz limite com a rua de terra que acumula buracos e materiais de construção. Num primeiro momento a avenida Ernesto Neugebauer, no bairro Humaitá, zona Norte de Porto Alegre aparenta estar em fase final de revitalização. Mas os transtornos momentâneos de qualquer obra se tornaram um problema constante naquela região da cidade há cerca de um ano, quando os trabalhos foram interrompidos.

Quem utiliza a Ernesto Neugebauer transita na maior parte do tempo por um calçamento de qualidade superior a maior parte de Porto Alegre. Mas, em seguida ao cruzamento da rua Irmão Félix Roberto, logo depois de passar por novos empreendimentos imobiliários, começa o contraste. Cones colocados na esquina antecedem o último pedaço de concreto, que é rompido poços metros à frente, onde começa o trecho de chão batido. O espaço de poucas quadras onde a obra foi interrompida é o suficiente para causar uma série de transtornos aos moradores e ao trânsito, que tem na avenida uma das principais ligações com o município de Canoas. 

Na avenida Amynthas Jacques de Moraes, que dá acesso a um dos trechos de terra da Ernesto Neugebauer, há um buraco de grandes proporções abertos na esquina, o que faz com que alguns motoristas utilizem a própria calçada para fazer a conversão. “Em dois dias, arrebentaram tudo isso daí”, recorda Ademir Flores, morador da região desde 1983.

Ele lembra que a Prefeitura alegou falta de recursos para paralisar a obra, mas afirma que não haveria transtornos caso a empresa tivesse parado os serviços antes de retirar o calçamento, pois, desde então, os alagamentos são constantes em dias de chuva.

Ainda de acordo com o morador, logo que a revitalização foi interrompida, canso e materiais de construção foram furtados do local. Na manhã desta segunda-feira, chamava atenção também a quantidade de lixo que se amontoava em alguns pontos.

Em nota, a Secretaria de Planejamento e Gestão informou que a pavimentação e drenagem da Ernesto Neugebauer vão ser executadas no início do próximo semestre com recursos do redirecionamento de R$ 115 milhões para obras de mobilidade. Ainda conforme a pasta, os serviços, iniciados em 28 de abril de 2016, foram paralisados devido a pendências da Prefeitura com a empresa responsável.

"O serviço de manutenção viária está na programação desta semana das equipes da Divisão de Conservação de Vias Urbanas (DCVU) da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim). A ação é paliativa para amenizar a situação da via", comunicou.