Correio do Povo | Notícias | Justiça nega pedido de prisão domiciliar para madrasta de Bernardo Boldrini

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Junho de 2018

  • 12/03/2018
  • 16:48
  • Atualização: 16:52

Justiça nega pedido de prisão domiciliar para madrasta de Bernardo Boldrini

Graciele Ugulini é acusada de ser uma das responsáveis pelo homicídio do menino

Graciele Ugulini é acusada de ser uma das responsáveis pelo homicídio do menino | Foto: André Ávila / CP Memória

Graciele Ugulini é acusada de ser uma das responsáveis pelo homicídio do menino | Foto: André Ávila / CP Memória

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou, nesta segunda-feira, o pedido de prisão domiciliar para Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo Boldrini. Graciele é acusada de ser uma das responsáveis pelo homicídio da criança. Ao analisar o pedido, o juiz Diego Dezorzi destacou que a decisão do Supremo Tribunal Federal determina a substituição da prisão preventiva pela domiciliar de todas as mulheres presas, gestantes, puérperas ou mães de crianças e deficientes sob sua guarda, excetuados os casos de crimes praticados por elas mediante violência ou grave ameaça, contra seus descendentes ou, ainda, em situações excepcionalíssimas, estas devidamente fundamentadas.

Leia mais sobre o caso Bernardo

"Assim, excepcionando a incidência da decisão, a Corte Suprema expressamente afastou sua aplicação nos casos em que constatada a suspensão ou destituição do poder familiar por outros motivos que não a prisão", considerou o magistrado.

No caso, a filha de Graciele está sob a guarda e responsabilidade da tia materna, e a acusada teve suspenso liminarmente o poder familiar sobre a menina. ¿" par disso, a ré está presa preventivamente e foi pronunciada, juntamente a outras três pessoas, pela prática de crime cometido mediante violência (homicídio quadruplamente qualificado) e contra o enteado, fato grave e que esbarra nos limites da ordem definidos pelo STF", asseverou o magistrado.

Finalizando, o magistrado considerou ainda que a ré revela possuir índole violenta e com periculosidade evidente, de modo que, em liberdade, em razão também dos conhecimentos técnicos que possui (enfermeira), revela concreta possibilidade de voltar-se contra outros desafetos e praticar outros delitos.

A defesa da madrasta argumentou que, tendo uma filha de 5 anos de idade, preencheria o requisito necessário para concessão de prisão domiciliar, conforme decisão recente do Supremo Tribunal Federal. Assim, a defesa solicitou a conversão da prisão preventiva em domiciliar, possibilitando a convivência da ré com a filha. O Ministério Público, semana passada, já havia emitido parecer contrário ao pedido.