Correio do Povo | Notícias | Uso das Forças Armadas pode desencadear violência, alerta Anistia Internacional

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 17 de Novembro de 2018

  • 26/05/2018
  • 11:15
  • Atualização: 11:27

Uso das Forças Armadas pode desencadear violência, alerta Anistia Internacional

Entidade afirmou que atuação cerceia liberdade de expressão e manifestação dos grevistas

Uso das Forças Armadas pode desencadear violência, alerta Anistia Internacional | Foto: Vladimir Platonow / Agência Brasil / CP

Uso das Forças Armadas pode desencadear violência, alerta Anistia Internacional | Foto: Vladimir Platonow / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AFP

O emprego das Forças Armadas para liberar estradas ocupadas por caminhoneiros, determinado na sexta-feira pelo governo Michel Temer (MDB), é "inadmissível", para a Anistia Internacional. A ONG de defesa dos direitos humanos considera o uso dos militares "extremamente preocupante". A atuação, acredita, cerceia a "liberdade de expressão e manifestação" dos grevistas e pode desencadear ações violentas.

"O papel das Forças Armadas não é atuar em protestos, manifestações e greves. A liberdade de expressão e manifestação são um direito humano. As partes envolvidas em uma manifestação e as autoridades relevantes devem encontrar um caminho de negociação e uma saída pacífica para os eventuais impasses encontrados", diz nota da Anistia.

"Enviar as Forças Armadas é grave erro e pode levar a uma escalada da violência. Além disso, o precedente de convocação e autorização para que as Forças Armadas atuem nacionalmente é mais um passo inadmissível no caminho da militarização da gestão das políticas públicas," afirma a diretora da Anistia no Brasil, Jurema Werneck, em nota.

Temer solicitou que governadores tomem a mesma medida em seus estados, como forma de liberar a passagem nas rodovias de cargas como combustíveis e alimentos. "A Anistia Internacional reivindica que o governo federal recue na sua decisão e que os governos estaduais não lancem mão das Forças Armadas para atuar em protestos e manifestações", afirma a nota da ONG.