Correio do Povo | Notícias | Rara espécie de águia volta a ser avistada no Rio Grande do Sul após dois anos

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

  • 18/06/2018
  • 12:01
  • Atualização: 12:03

Rara espécie de águia volta a ser avistada no Rio Grande do Sul após dois anos

Animal é classificado como "criticamente em perigo" na lista de espécies sob ameaça de extinção

Águia harpia avistada no Noroeste do RS | Foto: Carlos Kuhn / Divulgação / CP

Águia harpia avistada no Noroeste do RS | Foto: Carlos Kuhn / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Após dois anos, uma águia da espécie harpia voltou a ser avistada no Rio Grande do Sul. Ela foi localizada sobrevoando o Parque Estadual do Turvo, no município de Derrubadas, no Noroeste do Estado. Considerada uma das maiores aves de rapina do mundo, o animal é classificado como "criticamente em perigo" na lista de espécies sob ameaça de extinção no RS.

De acordo com a gestora do Parque do Turvo, Solange Dias, as harpias vêm ao longo do tempo desaparecendo em função da caça e, sobretudo, do desmatamento do seu habitat natural. Para ela, o avistamento da ave é motivo de comemoração, pois significa que a unidade de conservação, vinculada à Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema), está bem preservada.

"O Parque Estadual do Turvo é considerado o último remanescente de Mata Atlântica bem preservado no Estado, e por esse motivo abriga inúmeras espécies da fauna e flora que não ocorrem em ambientes degradados", ressalta. Atualmente, a ave pode ser encontrada na Amazônia e em algumas florestas das regiões Centro-Oeste e Sudeste, além de registros pontuais no Sul.

Com raras aparições nas últimas décadas, a harpia chegou a ser considerada extinta no Rio Grande do Sul. "Fazia cerca de 30 ou 40 anos que uma harpia não era vista aqui no Estado", afirma a gestora. No entanto, em 2015, um exemplar da ave voltou a ser avistada no Parque do Turvo. E a última vez que isso tinha acontecido foi em junho de 2016.

O mais recente registro, feito pelo guarda-parque da Unidade de Conservação, Carlos Kuhn, no dia 8 de junho, despertou a atenção de pesquisadores da área. Pós-doutora em harpias, Tânia Sanaiotti estava no Paraná quando soube do avistamento. Prontamente, ela viajou ao RS para fazer estudos sobre a ave. A visita da pesquisadora também motivou a realização de uma oficina sobre a espécie, ministrada pela especialista. Onze servidores do parque participaram da atividade que serviu para repassar orientações sobre identificação, hábitos alimentares, comportamento e reprodução da espécie. Desde então, uma equipe trabalha na coleta de informações e no monitoramento do animal.

Envergadura e força

Uma harpia fêmea adulta pode pesar até 10 quilos e alcançar uma envergadura superior a dois metros. "É a ave mais possante do planeta, possui uma garra imensa, tem muita força e consegue carregar mamíferos de médio porte", detalha Solange Dias. Devido ao tamanho do animal, seu ninho é estrategicamente construído na parte mais alta de árvores de grande porte. A base de sua alimentação é constituída principalmente de mamíferos, aves e répteis, aos quais captura por entre a copa das árvores ou no solo.

De acordo com as características específicas da plumagem, pressupõe-se que o animal avistado no Turvo nos últimos dias tenha uma idade aproximada de três anos. Segundo Solange, a espécie fotografada pode ser um filhote da harpia avistada no local em 2015 e 2016.