Correio do Povo | Notícias | Museu foi vítima do descaso generalizado com a cultura do país, diz diretor do Iphan

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

  • 03/09/2018
  • 10:21
  • Atualização: 14:46

Museu foi vítima do descaso generalizado com a cultura do país, diz diretor do Iphan

Andrey Schlee afirmou que Brasil passa por um vexame internacional após incêndio

Museu foi vítima do descaso generalizado com a cultura do país, diz diretor do Iphan  | Foto: Carl de Souza / AFP / CP

Museu foi vítima do descaso generalizado com a cultura do país, diz diretor do Iphan | Foto: Carl de Souza / AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O diretor de Patrimônio Material do Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Andrey Schlee, afirmou nesta segunda-feira que o Museu Nacional do Rio de Janeiro foi mais uma "vítima do descaso generalizado com a cultura e educação do país". Em entrevista ao programa Direto ao Ponto, da Rádio Guaíba, Schlee colocou ainda que um acervo muito rico foi perdido no incêndio ocorrido nesse domingo. 

• Incêndio no Rio é a maior tragédia museológica do país, diz UFRJ

• Falha em hidrantes colaborou para que fogo se alastrasse, dizem Bombeiros

• Acervo do Museu Nacional continha fóssil mais antigo da América Latina

"Estamos falando de um prédio muito antigo, que antes mesmo de ter virado um palácio residencial, já era uma antiga fazenda jesuíta. O prédio, ampliado e transformado em museu, chega até nós (Iphan) com uma quantidade de problemas relacionados à gestão de patrimônio. Era uma responsabilidade compartilhada e hoje é preciso reconhecer que não houve um investimento à altura do patrimônio que nos cabia cuidar", disse Schlee. 

Na avaliação de Schlee, hoje é um dia triste para a Ciência brasileira, em que o país passa por um enorme contrangimento por conta do incêndio e pela incapacidade de guardar peças históricas. "Nós temos um museu que necessitava de um orçamento anual de R$ 500 mil e estava trabalhando com 10% desse dinheiro. Essa quantia não estava fazendo falta e, hoje, posso dizer que o Brasil passa a ser um vexame internacional porque não tivemos capacidade de conservar um patrimônio desses", avaliou. 

• Especialista compara perda do fóssil "Luzia" com destruição da Mona Lisa

Schlee esclareceu que o acervo até então guardado no Museu Nacional era riquíssimo e não estava apenas relacionado à história do Brasil. "Estamos falando de um museu que, em termos de história natural, estava entre os cinco principais. Do ponto de vista do acervo, como foi constituído, com Dom João VI e depois os imperadores. Tínhamos torá, em papiro, uma das maiores coleções de insetos perdidos, a nossa extraordinária biblioteca que contava a construção da antropologia do nosso país", mencionou.