Correio do Povo | Notícias | Mineroduto rompe e polui abastecimento de água no interior de Minas Gerais

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de Junho de 2018

  • 12/03/2018
  • 20:33
  • Atualização: 20:40

Mineroduto rompe e polui abastecimento de água no interior de Minas Gerais

Empresa britânica disponibilizou caminhões-pipa e garante que substâncias não são tóxicas

  • Comentários
  • Agência Brasil

Um mineroduto da empresa britânica Anglo American se rompeu nesta segunda-feira, em Minas Gerais, na região da Zona da Mata, e poluiu o Ribeirão Santo Antônio. O manancial fornece água para o abastecimento do município de Santo Antônio do Grama (MG), com população de aproximadamente 4,2 mil pessoas. A mineradora disponibilizou caminhões-pipa para levar água aos moradores da cidade.

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) recebeu pela manhã um comunicado da Anglo American sobre o rompimento. De acordo com nota divulgada pela pasta, não há informações sobre vítimas ou desalojados. “Segundo informações da empresa, o incidente provocou uma despressurização na linha tronco, projetando polpa de minério para o acesso municipal e para o leito do Ribeirão Santo Antônio”, registra o texto.

A Semad informa ainda que a situação está sendo monitorada por equipes do órgão e da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), responsável pelo abastecimento de água das cidades mineiras. Não foram fornecidas informações sobre possíveis penalidades à empresa por parte do órgão estadual ambiental.

O duto rompido transporta a produção da Anglo American de Minas Gerais ao Rio de Janeiro. Ele integra o empreendimento Minas-Rio, que compreende a extração de minério nas serras do Sapo e Ferrugem, o beneficiamento nos municípios de Conceição do Mato Dentro (MG) e Alvorada de Minas (MG) e ainda o mineroduto de 525 quilômetros que se encerra em um porto em Barra de Açu, no município de São João da Barra (RJ).

Saiba Mais

Por se tratar de um empreendimento que envolve mais de um estado, o licenciamento ambiental da estrutura foi feito pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e tem validade até 2021. O órgão federal informou que uma equipe do seu Núcleo de Emergências Ambientais foi enviada ao local e somente após a vistoria poderá avaliar os impactos e decidir sobre eventuais sanções administrativas. A suspensão da licença, no entanto, não é cogitada, segundo o órgão.

O Ibama afirma ainda que, de acordo com informações recebidas até o momento, “a polpa de minério vazada não possui, entre seus componentes, substâncias químicas ou tóxicas” e “os resíduos provocaram turbidez da água, mas não apresentam riscos à saúde humana”.

Em nota, a Anglo American afirmou que o rompimento foi identificado às 7h42min e que a prefeitura de Santo Antônio do Grama, a Defesa Civil, a Copasa, a Semad e o Ibama foram imediatamente comunicados. De acordo com a mineradora, não houve vítimas e o fluxo do mineroduto foi interrompido de forma que, neste momento, apenas água está sendo escoada pela estrutura. “A polpa consiste em 70% de minério de ferro e 30% de água, sendo classificada pela NBR 10.004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), como resíduo não perigoso”, acrescenta o texto.