Correio do Povo | Notícias | Mosquitos 'anti-dengue' são soltos no Rio de Janeiro

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

  • 30/08/2017
  • 11:42
  • Atualização: 11:54

Mosquitos 'anti-dengue' são soltos no Rio de Janeiro

Insetos forão infectados com bactéria natural que atua contra dengue e zika

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz liberaram nesta terça-feira milhares de mosquitos | Foto: Apu Gomes / AFP / CP

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz liberaram nesta terça-feira milhares de mosquitos | Foto: Apu Gomes / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Milhões de mosquitos Aedes aegypti inoculados com uma bactéria natural que parece reduzir o contágio dos vírus da dengue, zika e do chikungunya começaram a ser lançados nesta terça-feira no Rio de Janeiro pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O projeto, que faz parte do programa australiano "Eliminar a dengue", começou a funcionar no fim de 2016 com a reprodução em grande escala do mosquito fêmea transmissor dessas doenças inoculado com a bactéria Wolbachia, comum em borboletas, libélulas e aranhas.

Atualmente, a Fiocruz consegue reproduzir 1,6 milhão desses mosquitos por semana e espera chegar em breve a três milhões. Os mosquitos infectados são liberados com a ideia de que se reproduzam e transmitam a bactéria a gerações futuras. Os cientistas esperam paliar, deste modo, eventuais novas epidemias como a da zika, que colocou o Brasil em alerta em 2015 e cuja emergência nacional foi retirada apenas em maio passado.

"Descobrimos que quando o mosquito Aedes aegypti contém a Wolbachia, ela bloqueia, reduz a capacidade do mosquito de transmitir vírus como dengue, zika e chikungunya. A ideia é liberarmos esses mosquitos na natureza, [pois] eles vão cruzar com os mosquitos que estão em campo e passar a Wolbachia para esses como se estivessem imunizando os outros mosquitos e, com isso, a transmissão deve ser reduzida", explicou Luciano Moreira, responsável do projeto contra a dengue na Fiocruz.

Depois de constatar que os projetos piloto de 2014 foram bem-sucedidos, a fundação começou a lançar os mosquitos em Niterói, e nesta terça reforçou o seu programa na Ilha do Governador, com a intenção de continuar em outras áreas das zonas norte e sul da cidade até o fim de 2018.

A Fiocruz assegura que esses mosquitos não apresentam riscos para a saúde das pessoas nem para o meio ambiente.

O mesmo programa, liderado pela Universidade australiana de Monash, funciona em Queesland (Austrália), Medellín (Colômbia), Puducherry (Índia), Yogyakarta (Indonésia) e Nha Trang (Vietnã). Este é somente um dos esforços feitos no Brasil para combater o mosquito que transmite esses três vírus, após o alarme desatado em 2015 pelo surto do então desconhecido zika, associado a um aumento de bebês nascidos com microcefalia.

A situação foi ainda mais delicada devido ao início dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em 2016. O Aedes aegypti é um mosquito muito adaptado à vida das cidades, que se reproduz em qualquer local com água parada. Muitos especialistas apontaram que o deficiente manejo destas águas no Brasil, a precariedade dos serviços de saúde e o armazenamento da água nas partes mais pobres do país também contribuíram para a explosão destes vírus.