Correio do Povo | Notícias | OMS anuncia fim do surto de ebola na República Democrática do Congo

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

  • 24/07/2018
  • 11:49
  • Atualização: 12:08

OMS anuncia fim do surto de ebola na República Democrática do Congo

Epidemia foi decretada pela nona vez no país no dia 8 de maio

OMS anuncia fim do surto de ebola na República Democrática do Congo | Foto: John Thys / AFP / CP

OMS anuncia fim do surto de ebola na República Democrática do Congo | Foto: John Thys / AFP / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta terça-feira o fim do nono surto de ebola na República Democrática do Congo. Por meio de comunicado, a entidade parabenizou o governo local e os parceiros que atuaram para conter o avanço do vírus e pediu que o sucesso seja ampliado no combate a outras doenças que assolam o país. "O surto foi contido graças aos esforços incansáveis das equipes locais, ao apoio de parceiros, à generosidade de doadores e à liderança efetiva do Ministério da Saúde. Esse tipo de liderança, associada à forte colaboração entre parceiros, salva vidas", avaliou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Ao contrário de surtos anteriores, este nono surto de ebola no Congo envolveu quatro áreas distintas, incluindo um centro urbano abastecido por um rio que se conecta à capital e outros países vizinhos, além de vilarejos remotos localizados em meio à floresta. Tais fatores, segundo a OMS, foram motivos de preocupação diante da possibilidade da doença se alastrar rapidamente.

A entidade lembrou que, poucas horas depois que o surto foi declarado, no dia 8 de maio, a OMS liberou um total de US$ 2 milhões do Fundo de Contingenciamento para Emergências, envio uma equipe para ampliar a capacidade de agentes em campo e ativou um sistema de gerenciamento de incidentes de emergência. "Essa resposta efetiva ao ebola deve tornar governo e parceiros confiantes de que outros grandes surtos que afetam o país, como cólera e pólio, também podem ser alvo de ações", disse Tedros. "Precisamos continuar a trabalhar juntos, investindo no reforço da vigilância e no acesso a cuidados de saúde para os mais vulneráveis", concluiu.