Correio do Povo | Notícias | Ipe Saúde reajusta em cerca de 35% o valor das consultas médicas

Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de Setembro de 2018

  • 11/09/2018
  • 10:08
  • Atualização: 10:44

Ipe Saúde reajusta em cerca de 35% o valor das consultas médicas

Medida busca diminuir a defasagem de médicos no plano de saúde

Anúncio foi realizado em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira | Foto: Henrique Massaro / Especial CP

Anúncio foi realizado em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira | Foto: Henrique Massaro / Especial CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

O Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do RS (Ipe Saúde) anunciou, nesta terça-feira, reajuste no valor das consultas médicas. A partir de 1º de outubro, ao invés de pagar entre R$ 7 e R$ 21 de coparticipação, o paciente terá de investir entre R$ 9 e R$ 28 por atendimento. Em média, o aumento será de cerca de 35%. O preço mensal do plano de saúde, no entanto, não sofrerá reajuste.

Com os novos valores das consultas, os profissionais habilitados como pessoa física passam a receber R$ 62 por consulta - atualmente é R$ 47. Já os credenciados como pessoa jurídica receberão R$ 90 por antedimento, ao invés de R$ 68. O aumento representa R$ 35 milhões a mais por ano pelo pagamento de consultas. Médicos atualmente credenciados como pessoa física podem migrar para o modelo PJ. As informações estão disponíveis no site do instituto.

Segundo o presidente do Ipe Saúde, João Gabbardo dos Reis, a medida busca incentivar os cerca de 8 mil médicos a permanecerem no plano e, assim, diminuir o tempo de espera dos pacientes por consultas."Com essa medida, mostramos um novo posicionamento do IPE para trabalhar na recomposição da remuneração dos médicos, em negociações com o Simers (Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul). Também esperamos aumentar a oferta de consultas, resolvendo um dos grandes problemas do IPE Saúde que era a dificuldade em agendar consultas", destacou.

O reajuste na remuneração dos médicos não acontecia desde 2011. Apesar de não ser considerado o ideal, o presidente Simers, Paulo de Argollo Mendes avalia o aumento como uma tentativa de inverter a tendência de decréscimo da remuneração dos médicos. "Estamos dando o primeiro passo de uma sequência de conversações que estão sendo realizadas para promover a remuneração adequada à excelência dos serviços prestados pelos médicos", ressalta.