Correio do Povo | Notícias | Funcionários demitidos do Hospital Mãe de Deus voltam a protestar

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 17 de Novembro de 2018

  • 13/09/2018
  • 14:08
  • Atualização: 16:02

Funcionários demitidos do Hospital Mãe de Deus voltam a protestar

Instituição terceirizou serviços de nutrição e limpeza

Número de demissões, de acordo com o Sindisaúde, é de 356  | Foto: Guilherme Testa

Número de demissões, de acordo com o Sindisaúde, é de 356 | Foto: Guilherme Testa

  • Comentários
  • Henrique Massaro

Pedindo a reintegração imediata, funcionários demitidos do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, se reuniram para protestar em frente ao prédio da instituição na manhã desta quinta-feira. Organizados pelo Sindisaúde/RS, que também esteve presente na mobilização, o grupo de trabalhadores, que era das áreas de limpeza e nutrição, também tinha o objetivo de sensibilizar a população contra a terceirização de serviços hospitalares.

O número de demissões, de acordo com o Sindicato, é de 356. Segundo o presidente do Sindisaúde/RS, Arlindo Ritter, as demissões foram realizadas de forma abrupta e todos os funcionários foram considerados como aptos, apesar de, entre eles, haver gestantes, acidentados e pessoas com problemas de saúde.

Trabalhadora da higienização do Mãe de Deus por quatro anos, Rosângela Fagundes afirmou que entrou de férias um dia antes dos desligamentos e foi informada por telefone. “Acho um absurdo o que fizeram”, disse ela, que entende que deveria ter ocorrido um comunicado prévio. O presidente do Sindisaúde/RS explicou que o objetivo do ato era também mostrar para os usuários do Mãe de Deus que a terceirização de higienização e nutrição pode representar um risco de infecção hospitalar.

Ainda conforme Ritter, o Hospital deve propor uma compensação que pode chegar a um salário a mais para cada trabalhador, mas o Sindicato discorda, porque entende que a postura correta seria uma reintegração imediata. O Hospital Mãe de Deus, contudo, por meio de sua assessoria de comunicação, disse que ainda não há informações a respeito de negociações.

Em nota, afirmou que os serviços de nutrição e limpeza, desde o dia 5 de setembro, estão sendo gerenciados por empresas parceiras e identificadas com seu propósito. Informou, ainda, que elas foram selecionadas a partir de detalhada análise de performance e melhores práticas adotadas na prestação de serviços em estabelecimentos hospitalares. Segundo o comunicado, a Sodexo e a Manserv, que oferecem nutrição e limpeza, respectivamente, são duas das maiores empresas desses segmentos no Brasil.