Correio do Povo | Notícias | Reclamações sobre veículos das lotações de Porto Alegre aumentam 20%

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Julho de 2018

  • 13/01/2018
  • 10:18
  • Atualização: 15:12

Reclamações sobre veículos das lotações de Porto Alegre aumentam 20%

Veículos sujos ou com defeitos foram alvo de 187 queixas em 2017 no sistema Fala Porto Alegre

Ao todo, 10,5 milhões de pessoas usaram o transporte em 2017 na Capital | Foto: Guilherme Almeida

Ao todo, 10,5 milhões de pessoas usaram o transporte em 2017 na Capital | Foto: Guilherme Almeida

  • Comentários
  • Correio do Povo

A não renovação da frota de veículos das lotações de Porto Alegre pode ser um dos fatores que tem gerado um aumento no número de reclamações dos usuários do serviço. Em 2016, 155 reclamações sobre veículos sujos e/ou com defeito foram registradas através do sistema Fala Porto Alegre. No ano passado, foram 187 reclamações registradas sobre a mesma questão, o que representou um aumento de 20,65%. A informação é da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC).

A redução no número de passageiros, conforme o gerente-executivo na Associação Transportadores de Passageiros por Lotação (ATL), Rogério Lago, e a crise que afeta o sistema de transporte como um todo, inclusive as lotações, são dois fatores que influenciaram na questão da renovação dos veículos.

“Há pelo menos um ano não temos nenhum veículo novo na frota de lotações da cidade. Isto nunca havia ocorrido antes. Pelo menos uma vez por ano renovávamos a frota”, explicou Lago. “Nossa frota está um pouco mais envelhecida que o normal. Isso está atribuído à crise que todo sistema de transporte de Porto Alegre vem atravessando. Com a frota mais velha, a incidência de problemas mecânicos tende a aumentar”, explicou.

Segundo Lago, o número de passageiros das lotações em 2017 apresentou uma redução em torno de 20% em relação ao ano anterior. Mesmo com o aumento no número de queixas sobre a situação dos veículos, no geral, as reclamações sobre o serviço de lotação apresentaram uma redução de 16,01%. No total, foram 1.889 reclamações em 2017 e, no ano anterior, tinham sido registradas 2.249.

Uma reclamação que teve redução de 20,06% é a de recusa de embarque e/ou desembarque por parte dos motoristas de lotação. Em 2017, 251 usuários reclamaram desta questão. Em 2016, foram 314. De acordo com Lago, a situação pode estar vinculada à questão da capacidade dos veículos.

“Na lotação, podemos transportar um número específico de passageiros. Muitas vezes o motorista não permite o embarque pois já está com o veículo lotado”, destacou, lembrando que as lotações só devem transportar passageiros em pé em casos emergenciais, como em situação de greve do transporte público, por exemplo.

Sobre a questão da higiene, Lago diz que é inadmissível que um veículo esteja circulando pela cidade em más condições. “Não tem justificativa para prestar serviço com veículo sujo”, afirmou. Todas as queixas encaminhadas pelos usuários das lotações chegam à Lago, que encaminha diretamente aos permissionários das linhas para que sejam tomadas as devidas providências. “Sempre estamos fazendo levantamentos sobre as queixas e também monitorando a situação do serviço prestado”, ressaltou o executivo.

•• Dados do sistema

• Número de passageiros que utilizaram as lotações em 2016: 13,7 milhões

• Número de passageiros que utilizaram as lotações em 2017: 10,5 milhões

• Quanto reduziu: 23%

• Quantas lotações existem em POA? E quantas linhas? São 429 veículos distribuídos em 31 linhas mais 13 ramais

• Quais os intervalos de horário das viagens e em quais dias elas funcionam?

A frequência das linhas variam entre 8 e 15 minutos, conforme o tamanho da frota. A frequência poderá se alterar em caso de retirada de algum veículo de operação, por acidente, pane mecânica ou recolhimento pela EPTC (o Sistema Lotação não possui frota reserva). A maioria das linhas opera de segunda a sábado. Algumas linhas, que atendem mais a periferia da cidade, operam todos os dias da semana, com frota reduzida nos domingos e feriados.

• E em relação à acessibilidade?

63% da frota possui elevador para pessoas com mobilidade reduzid

*Fontes: ATL e EPTC