Correio do Povo | Notícias | ONU pede ajuda urgente para evitar novo surto de fome na Somália

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 29/10/2014
  • 19:48

ONU pede ajuda urgente para evitar novo surto de fome na Somália

Segundo Ban Ki-moon, mais de 3 milhões de somalis necessitam de assistência humanitária

  • Comentários
  • Agência Brasil

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, alertou nesta quarta-feira que, sem apoio urgente, a fome pode voltar à Somália.

“Insisto para que os doadores reforcem contribuições para evitar mais fome na Somália”, apelou Ban Ki-moon, em conversa com jornalistas durante visita a Mogadíscio, capital somali. Há três anos, cerca de 250 mil pessoas morreram de fome no país.

“Mais de 3 milhões de somalis necessitam hoje de assistência humanitária. E, infelizmente, esse é um número crescente”, acrescentou o secretário-geral das Nações Unidas. A ONU recebeu cerca de US$ 318 milhões, um terço do dinheiro solicitado (US$ 933 milhões) para enfrentar o problema.

Juntamente com o chefe do Banco Mundial, Jim Yong Kim, Ban Ki-moon encontrou-se com o presidente da Somália, Hassan Sheikh Mohamud, no aeroporto de Mogadíscio, guardado por tropas de apoio da União Africana. O secretário-geral da ONU disse que a Somália tem feito “progressos notáveis” desde a sua última visita à capital, em 2011, quando teve de usar um colete à prova de bala.

"Devagar, a Somália acorda de um grande pesadelo”, afirmou Ban Ki-moon, dizendo-se, porém, “bastante preocupado” com a crise humanitária e a falta de recursos.

Rebeldes da Al Shebab, organização ligada à rede terrorista Al Qaeda, embora permaneçam uma potencial ameaça, têm perdido partes do território que haviam conquistado e algumas cidades para tropas somali e forças da União Africana. Durante este ano, a Al Shebab atacou o centro de Mogadíscio, incluindo o palácio presidencial e a sede do Parlamento. Ban Ki-moon observou que o poder da organização diminuiu, mas "ainda não acabou”.

Segundo a ONU, mais de 1 milhão de somalis estão sujeitos à fome, mais de 1 milhão abandonaram suas casas durante os confrontos e há 1 milhão vivendo como refugiados na região. De acordo com o Gabinete da ONU para Coordenação dos Assuntos Humanitários, cerca de 218 mil crianças menores de 5 anos estão subnutridas, 7% a mais do que no início do ano.