Correio do Povo | Notícias | Hungria anuncia referendo sobre distribuição de migrantes na UE

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 18 de Novembro de 2018

  • 05/07/2016
  • 07:09
  • Atualização: 07:11

Hungria anuncia referendo sobre distribuição de migrantes na UE

Ação que acontecerá dia 2 de outubro tem a oposição do primeiro-ministro Viktor Orban

Ação que acontecerá dia 2 de outubro tem a oposição do primeiro-ministro Viktor Orban | Foto: Thierry Charlier / AFP / CP

Ação que acontecerá dia 2 de outubro tem a oposição do primeiro-ministro Viktor Orban | Foto: Thierry Charlier / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A Hungria organizará no dia 2 de outubro um referendo promovido pelo governo sobre o plano europeu de distribuição de refugiados entre os países membros da UE, que tem a oposição do primeiro-ministro Viktor Orban.

"Como presidente da República, decreto que o referendo acontecerá em 2 de outubro", anunciou o chefe de Estado, Janos Ader, em um comunicado. Os húngaros deverão responder a pergunta: "Você deseja que a União Europeia decrete uma transferência obrigatória de cidadãos não húngaros na Hungria sem a aprovação do Parlamento húngaro?".

O governo conservador de Orban não aceita o plano da UE de distribuir 160 mil imigrantes entre os 28 Estados membros por meio de cotas obrigatórias. O plano foi aprovado em setembro do ano passado pela maioria dos países do bloco. Budapeste considera que o plano viola sua soberania nacional e que alguns "terroristas" podem aproveitar a iniciativa para entrar no país. Orban, que havia prometido organizar a consulta, afirma que Bruxelas "não tem o direito de reconfigurar a identidade cultural e religiosa da Europa".

Quase 400 mil migrantes ou refugiados passaram pela Hungria em 2015, muitos deles fugindo das guerras na Síria, Iraque e Afeganistão, a caminho da Alemanha e do Norte da Europa. Por fim, o governo húngaro decidiu construir barreiras em suas fronteiras meridionais para impedir a entrada de mais migrantes.

As autoridades promoveram ainda leis que condenam duramente a entrada ilegal no país e a destruição das barreiras.