Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Janeiro de 2018

  • 24/11/2017
  • 09:50
  • Atualização: 09:56

Cuba recorda um ano da morte de Fidel e contempla a transição de 2018

Vigília em homenagem ao líder cubano será feita em frente à universidade

Cuba recorda um ano da morte de Fidel e contempla a transição de 2018 | Foto: STR / AFP / CP

Cuba recorda um ano da morte de Fidel e contempla a transição de 2018 | Foto: STR / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Cuba se prepara para celebrar no domingo o primeiro aniversário da morte do pai de sua revolução, Fidel Castro, num momento em que inicia o processo que levará, em três meses, à saída de seu irmão, Raúl, da presidência. A vontade de "comandante em chefe" Fidel foi respeitada: nenhuma rua, praça ou edifício carrega seu nome e nenhuma estátua ou monumento foi erguido em sua homenagem. Mas Fidel permanece muito presente nas mentes, e a imprensa estatal não deixa de recordar todos os dias suas façanhas, discursos e escritos.

Nas ruas, cartazes e inscrições adornam os muros, celebrando "Fidel entre Nosotros" ("Fidel entre nós"), ou "Fidel vive".

Nos últimos dias, para marcar o aniversário de sua morte, aos 90 anos, muitos eventos "políticos e culturais" estão ocorrendo em todo o país, mas as autoridades até agora não programaram qualquer ato para ser o destaque das cerimônias. Em Havana, no sábado à noite haverá uma vigília em frente à universidade, enquanto Raul Castro deverá ir para Santiago de Cuba (sudeste) em frente ao imponente monólito imaculado onde descansam as cinzas de seu irmão mais velho.

Coincidência ou vontade das autoridades, essas homenagens coincidem com a realização no domingo do primeiro turno das eleições municipais, uma votação adiada após a passagem do furacão Irma, que matou 10 pessoas e causou muita destruição na ilha em setembro. A votação iniciará uma série de eleições que devem terminar, no final de fevereiro, com a substituição de Raul Castro, de 86 anos, no comando do país.

Contexto delicado 

Ao longo do último ano, os cubanos viram a situação econômica de seu país se complicar particularmente devido ao declínio nas entregas de petróleo venezuelano, e o ritmo das reformas abrandou abruptamente. Após um ano de 2016 marcado por um declínio do PIB de 0,9%, o Estado projetou um crescimento de 2% em 2017, mas esse valor foi reduzido para 1% em julho, enquanto o Cepal, comissão econômica da ONU para a região, aponta 0,5%.

Essas avaliações foram publicadas antes da passagem do Irma, cujos danos causados nos setores do turismo e especialmente da agricultura ainda não foram oficialmente quantificados pelas autoridades. Ao mesmo tempo, a administração de Donald Trump adotou uma postura mais firme quanto a Havana, que provavelmente sofrerá novas restrições no comércio e viagens dos americanos à ilha.

Em agosto, o governo cubano travou a iniciativa privada suspendendo indefinidamente as licenças para trinta atividades para combater a fraude neste setor que emprega 20% dos ativos do país. De acordo com o ex-diplomata cubano Carlos Alzugaray, o país acumula "atrasos" nas áreas de descentralização, abertura da economia ao setor privado e unificação

monetária, uma reforma esperada há vários anos.

Passagem de poder 

Presidente desde 2008 após um período de dois anos, Raul Castro anunciou que não buscará um novo mandato e será substituído por um líder da nova geração. Por enquanto, é seu primeiro vice-presidente e número dois do governo, Miguel Diaz-Canel, de 57 anos, que está na fila para sucedê-lo. Nascido após a revolução, este apparatchik de cabelo grisalho terá a difícil tarefa de federar em torno de sua pessoa, consolidar as realizações da revolução e continuar a transição econômica iniciada por Raul Castro.

Este último, no entanto, não abandonará completamente o poder, uma vez que permanecerá à frente do todo-poderoso Partido Comunista Cubano (PCC) até o próximo congresso previsto para 2021. "Nos próximos dois anos, a agenda do governo e a forma de exercer o poder provavelmente não vão mudar muito", prevê Michael Shifter, presidente do grupo de pesquisa Diálogo Interamericano em Washington.

No entanto, aos olhos do especialista cubano Arturo Lopez-Levy, professor da Universidade do Texas Rio Grande Valley, esta transição "oferece uma oportunidade de mudança política conforme a visão da nova geração". Para guiar seu sucessor, Raul Castro se encarregou de traçar as "linhas diretrizes" votadas pelo partido e pelo Parlamento. São elas que fornecem as orientações políticas e econômicas até 2030, tendo como objetivos a consolidação do regime e a continuação da "atualização" de um modelo econômico obsoleto.