Correio do Povo | Notícias | Furacão Irma causa devastação e mortes no Caribe

Porto Alegre

19ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 25 de Setembro de 2018

  • 06/09/2017
  • 22:42
  • Atualização: 22:55

Furacão Irma causa devastação e mortes no Caribe

Fenômeno deixou ao menos seis vítimas fatais em Saint Martin e outra em Barbuda

Fenômeno deixou ao menos seis vítimas fatais em Saint Martin e outra em Barbuda | Foto: NOAA / AFP / CP

Fenômeno deixou ao menos seis vítimas fatais em Saint Martin e outra em Barbuda | Foto: NOAA / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A chegada do furacão Irma provocou devastação e ao menos sete mortes, até o início da noite desta quarta-feira no Caribe. A parte francesa da ilha de Saint Martin registrou seis óbitos, enquanto Barbuda, uma vítima fatal foi confirmada. Autoridades afirmam que destruição nas localidades foram de danos acima de 90% em construções e infraestrutura.

A parte francesa da ilha de Saint Martin ficou quase totalmente destruída, informou o prefeito Eric Maire, do departamento de Guadalupe. "A gendarmeria conseguiu sair apenas no meio da manhã, antes disto a força do vento não permitiu, não conseguimos, os bombeiros também não, para vistoriar toda a ilha", relatou Maire, advertindo que o número de vítimas deve crescer.

Daniel Gibbs, presidente do Conselho Territorial, disse à Radio Caraïbes International que "95% da ilha foi destruída" por Irma. "Não estamos seguros de nada, ainda fazemos uma avaliação, mas estou chocado, isto é alarmante", declarou. O presidente francês, Emmanuel Macron, advertiu para um resultado "duro e cruel" pela passagem do furacão.

O olho de Irma, de quase 50 quilômetros de diâmetro, permaneceu por cerca de uma hora e meia sobre a ilha francesa de Saint Barth, para depois se deslocar a Saint Martin, que está dividida entre uma zona francesa e outra holandesa. Nas redes sociais, fotos e vídeos revelam a devastação nas ilhas, onde eletricidade e comunicações estão cortadas, barcos, destruídos, árvores e telhados foram arrancados e as ruas ficaram inundadas.

O mar "invadiu com extrema violência" o litoral, "submergindo de forma importante as partes baixas do litoral", segundo a agência meteorológica francesa Météo-France.

Em Barbuda, a "devastação foi total", informou o primeiro-ministro da pequena ilha caribenha, Gaston Browne, após a passagem do fenômeno de categoria 5 na escala Saffir-Simpson. "Barbuda é literalmente um escombro", disse o mandatário à imprensa. O porta-voz da agência de gestão de emergências, Midcie Francis, confirmou que uma pessoa morreu e que os danos são gigantescos.

Com apenas 1,6 mil habitantes, Barbuda é uma ilha irmã de Antigua, que se livrou da pior parte do furacão. Ao norte das Antilhas Menores e a leste de Porto Rico, ambas formam um país soberano. Browne destacou que até o aeroporto foi atingido e, no momento, só permite operações com helicópteros. "Acredito que o custo para reparar as infraestruturas e as residências vai superar os 150 milhões de dólares".

Browne precisou que a vítima fatal é um menino que era levado pela mãe de uma propriedade destruída para outro local. "Com tanta devastação, me surpreende que não haja mais vítimas".

O olho de Irma passou a 50 quilômetros ao norte de Porto Rico e se movia a 26 km/h para oeste, em direção à República Dominicana, em uma rota que o levará para a Flórida no fim de semana, segundo o Centro Nacional de Furacões, com sede em Miami.

No centro de emergências de Fajardo, a leste da ilha principal, os socorristas resgataram cinco pessoas que tiveram o teto de suas casas arrancados ou as janela quebradas. Com a chegada do furacão, cerca de metade da população de Porto Rico ficou sem energia e as águas saíam do leito em Río Grande e Naranjito. As autoridades habilitaram 154 abrigos para 2 mil pessoas.