Correio do Povo | Notícias | Suprema Corte da Índia determina demolição ou reforma do Taj Mahal

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 18 de Novembro de 2018

  • 23/07/2018
  • 08:52
  • Atualização: 09:00

Suprema Corte da Índia determina demolição ou reforma do Taj Mahal

Palácio de mármore está ficando amarelado devido à poluição e sujeira deixada por insetos

Suprema Corte da Índia determina demolição ou reforma do Taj Mahal | Foto: Prakash Singh / AFP / CP

Suprema Corte da Índia determina demolição ou reforma do Taj Mahal | Foto: Prakash Singh / AFP / CP

  • Comentários
  • Portal R7

Dois juízes da Suprema Corte da Índia determinaram que o governo tome uma decisão sobre o principal cartão postal do país: o Taj Mahal, em Agra. "Ou fechamos o Taj, demolimos ou restauramos", disseram os magistrados a autoridades estaduais na semana passada, segundo informações do jornal Indian Express.

O motivo é que o palácio, revestido por mármore branco, está ficando degradado, amarelado, devido à poluição e à sujeira deixada por insetos. O tribunal solicitou um plano de ação para salvar o monumento, que é Patrimônio Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

A área onde está o Taj Mahal tem 17 hectares. O palácio foi construído pelo imperador mogol Shah Jahan em memória de sua esposa, Mumtaz Mahal. As obras foram iniciadas em 1632 e concluídas 16 anos depois. O imperador requisitou artesãos, pedreiros, entalhadores, pintores e outros tipos de mão de obra de todo o império, da Ásia Central e também do Irã.

Segundo a Unesco, "o Taj Mahal é considerado a maior conquista arquitetônica em toda a gama de arquitetura indo-islâmica". Por lei, existe uma área de 10.400 km² em volta do monumento que é protegida, justamente para evitar os efeitos da poluição.

Em dezembro de 1996, a Suprema Corte da Índia proibiu o uso de carvão e coque em indústrias localizadas na chamada Zona Taj Trapezium as converteu para o uso de gás natural ou retirou da região. Em meio à polêmica levantada com o aviso judicial, o governo de Agra já fala em tornar a cidade dependente apenas de biocombustíveis.