Correio do Povo | Notícias | Washington divulga lista de pessoas próximas a Putin que podem sofrer sanções

Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

  • 30/01/2018
  • 08:38
  • Atualização: 08:49

Washington divulga lista de pessoas próximas a Putin que podem sofrer sanções

Cerca 210 nomes russos foram anunciados sendo 114 funcionários e 96 empresários

Cerca 210 nomes russos foram anunciados sendo 114 funcionários e 96 empresários  | Foto: Alexey Nikolsky / Sputnik / AFP / CP

Cerca 210 nomes russos foram anunciados sendo 114 funcionários e 96 empresários | Foto: Alexey Nikolsky / Sputnik / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos publicou nesta terça-feira uma lista de funcionários e empresários russos considerados próximos ao presidente Vladimir Putin e que podem ser objetos de sanções por suposta interferência nas eleições presidenciais americanas. A lista de 210 nomes, 114 funcionários e 96 empresários, inclui o primeiro-ministro Dmitri Medvedev e o ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov.

A relação de sete páginas, que não implica sanções imediatas, inclui altos funcionários dos serviços de inteligência.

A publicação vai afetar ainda mais as tensas relações entre Estados Unidos e Rússia, com possíveis consequências financeiras para os círculos mais próximos a Putin. O Tesouro americano tinha prazo até meia-noite dessa segunda-feira para publicar a lista, como estipula uma lei aprovada no ano passado pelo Congresso dos Estados Unidos.

A lei, que pretende punir a Rússia pela interferência nas eleições americanas, a anexação da Crimeia e sua política na Ucrânia, foi aprovada por ampla maioria do Congresso e promulgada em 2 de agosto de 2017 pelo presidente Donald Trump, que criticou vários de seus dispositivos mais importantes. Opositores de Trump acusam o presidente americano de ter sido beneficiado pelo apoio de Moscou nas eleições presidenciais e de ser reticente a adotar sanções contra a Rússia.

Na segunda-feira, o Departamento de Estado americano considerou que esta lei levou governos estrangeiros a desistir de contratos de armamento com empresas russas e que, portanto, era inútil impor novas sanções no âmbito da venda de armas. Ao mesmo tempo, o diretor da CIA, Mike Pompeo, afirmou em uma entrevista à BBC que as interferências russas nos Estados Unidos não pararam e que Moscou tentará influenciar os resultados das eleições legislativas de novembro.