Correio do Povo | Notícias | Promotoria de Tóquio investiga novas suspeitas contra Ghosn

Porto Alegre

33ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

  • 04/12/2018
  • 15:09
  • Atualização: 15:13

Promotoria de Tóquio investiga novas suspeitas contra Ghosn

Empresário não teria declarado US$ 80 milhões em indenização em relatórios financeiros

Investigação preliminar indica que Ghosn pretendia evitar críticas sobre alta remuneração dos executivos | Foto: Kazuhiro Nogi / AFP / CP Memória

Investigação preliminar indica que Ghosn pretendia evitar críticas sobre alta remuneração dos executivos | Foto: Kazuhiro Nogi / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Promotoria de Justiça de Tóquio investiga nova suspeita envolvendo o empresário franco-brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan Motor. Ele é investigado agora por não ter declarado US$ 80 milhões em indenização nos relatórios financeiros da empresa nos últimos oito anos.

Ghosn foi preso no mês passado, em Tóquio, no Japão, por suspeita de subestimar sua remuneração em 5 bilhões de ienes, aproximadamente US$ 44 milhões, em um período de 5 anos que termina no ano fiscal de 2014, violando a Lei de Instrumentos Financeiros e Câmbio.

Segundo investigações preliminares, Ghosn pretendia evitar críticas sobre a alta remuneração após a divulgação dos salários dos executivos que se tornou obrigatória em 2010. Há apurações sobre o plano de o executivo receber, após sua aposentadoria, a diferença entre o valor pago a ele e o que foi relatado.

A suspeita é que 4 bilhões de ienes, cerca de US$ 35,5 milhões, não foram divulgados desde 2015. De acordo com os promotores, a remuneração anual de Ghosn para o ano fiscal de 2016 e 2017 foi de 2,4 bilhões de ienes ou aproximadamente de US$ 21,3 milhões.