Correio do Povo | Notícias | Premiê britânica responsabiliza Rússia por atentado contra ex-espião

Porto Alegre

11ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de Junho de 2018

  • 12/03/2018
  • 20:42
  • Atualização: 20:46

Premiê britânica responsabiliza Rússia por atentado contra ex-espião

May aguarda um posicionamento russo até terça-feira sobre envenenamento de Serguei Skripal

Theresa May culpou a Rússia por morte de ex-agente em solo britânico | Foto: AFP / CP

Theresa May culpou a Rússia por morte de ex-agente em solo britânico | Foto: AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A primeira-ministra britânica, Theresa May, declarou nesta segunda-feira que é “muito provável” que a Rússia esteja por trás da tentativa de assassinato de um ex-espião russo e deu ao país o prazo de até terça-feira para que apresente explicações. Moscou rejeitou imediatamente as acusações, chamando de "espetáculo circense no Parlamento britânico".

"É muito provável que a Rússia seja responsável pelo ato" contra Serguei Skripal e sua filha Yulia, feridos com gravidade na cidade de Salisbury com um gás neurotóxico que, segundo May, é de tipo militar e fabricado na Rússia. "Há apenas duas explicações plausíveis sobre o que aconteceu em Salisbury em 4 de março: ou foi um ato direto do Estado russo contra o nosso país, ou o governo russo perdeu o controle desse agente neurotóxico e catastroficamente prejudicial", disse May à Câmara dos Comuns.

A chefe de Estado ressaltou que a arma usada contra Skriptal, um ex-coronel russo de 66 anos que foi condenado em seu país por alta traição, e sua filha "é um agente neurotóxico de uso militar de um tipo desenvolvido pela Rússia", conhecido como "Novichok".

A primeira-ministra citou o histórico da Rússia "em cometer assassinatos organizados pelo Estado" e o fato de ver "alguns desertores como alvos legítimos" para apontar a culpa muito provável do país presidido por Vladimir Putin.

O ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, pediu ao embaixador russo em Londres que "forneça imediatamente informações completas sobre o programa Novichok à Organização para a Proibição de Armas Químicas", de acordo com May, dando-lhe um prazo limite de até terça-feira.

"Espetáculo circense"

As afirmações de May prometem aumentar a tensão com Moscou e foram precedidas por um aviso da embaixada russa, que aconselhou o governo a não fazer um "jogo perigoso" que coloque em risco as relações bilaterais. "Isto é um espetáculo circense no Parlamento britânico e uma provocação", afirmou a porta-voz da chancelaria russa, Maria Zajarova.

O Ministério de Relações Exteriores russo acrescentou que as acusações de May tentam "desacreditar a Rússia" antes da Copa do Mundo, que acontecerá em junho e julho.

Já a Casa Branca expressou sua indignação, afirmando sua solidariedade com Londres, mas se recusando a apontar eventuais responsáveis. "O uso de um agente neurotóxico mortal contra um cidadão britânico em solo britânico é uma vergonha", declarou Sarah Sanders, porta-voz de Donald Trump, denunciando um "ataque irresponsável".

O ex-coronel e sua filha ainda se encontram em estado grave no hospital, juntamente com um policial que também ficou ferido ao socorrê-los, mas cujo estado não é tão preocupante.

O deputado Tom Tugendhat, que preside a Comissão dos Assuntos Externos da Câmara dos Comuns, já havia indicado que o crime tinha "todos os aspectos de uma tentativa de assassinato orquestrada por um Estado". Alguns consideraram que se a Rússia tentou, de fato, matar novamente um dos seus ex-agentes em solo britânico, a culpa seria em parte da resposta branda de Londres à morte de Alexander Litvinenko há 12 anos.

O ex-agente dos serviços secretos russos que se tornou um feroz crítico da corrupção no Kremlin de Vladimir Putin foi morto com polônio-210 em um hotel em Londres, no que foi descrito durante a investigação como o primeiro atentado nuclear. Litvinenko morreu em 2006 depois de três semanas agonizando e a cafeteria do hotel onde o envenenamento foi cometido acabou contaminada.

Perigo de contaminação

Depois de uma semana dizendo que não havia perigo para o público, as autoridades pediram aos cerca de 500 clientes que estiveram no pub e restaurante em que Skripal e sua filha beberam e comeram antes de adoecerem lavassem as roupas usadas naquele dia porque encontraram vestígios de contaminação.

Além disso, foram convidados a limpar com toalhas umedecidas ou com água e sabão todos os acessórios, objetos e carteiras, incluindo telefones celulares.