Correio do Povo | Notícias | Pressão aumenta contra o primeiro-ministro japonês

Porto Alegre

11ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de Junho de 2018

  • 13/03/2018
  • 09:23
  • Atualização: 09:30

Pressão aumenta contra o primeiro-ministro japonês

Político sofre com críticas, pedidos de renúncia e popularidade em queda

Político sofre com críticas, pedidos de renúncia e popularidade em queda | Foto: Kim Kyung-Hoon / Pool / AFP / CP

Político sofre com críticas, pedidos de renúncia e popularidade em queda | Foto: Kim Kyung-Hoon / Pool / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A pressão aumenta ao redor do governo do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, abalado por um caso de favorecimento, com pedidos de renúncia para o ministro das Finanças, críticas da oposição e popularidade em queda. Abe e o ministro das Finanças, Taro Aso, pediram desculpas pelo de documentos que foram falsificados antes da apresentação ao Parlamento, mas não conseguiram reduzir as críticas.

"Alterar documentos oficiais é um ato que abala os fundamentos da democracia", afirma o jornal Asahi, que revelou o escândalo, relacionado à venda, a um preço reduzido, de um terreno que pertencia ao Estado. O terreno foi negociado com o diretor de uma escola nacionalista que tem ligações com o primeiro-ministro e sua esposa, Akie Abe.

O caso provocou a demissão de um alto funcionário do ministério das Finanças. Outro funcionário da pasta foi encontrado morto na última sexta-feira, um aparente caso de suicídio, e a família exigiu explicações das autoridades. Taro Aso voltou a descartar a possibilidade de pedir demissão.

Perguntado sobre o tema, o porta-voz do governo, Yoshihide Suga, defendeu o ministro e disse que "ele já falou ontem e não aconteceu nenhuma mudança". Mas ele pode não comparecer à reunião de cúpula do G20, em 19 e 20 de março em Buenos Aires.

"Tudo depende da situação no Parlamento", disse o porta-voz. Os deputados da oposição boicotaram os debates e exigiram o comparecimento dos principais nomes do escândalo, como a esposa do primeiro-ministro. A oposição ameaça prosseguir com a ofensiva em busca da "verdade".

Na última segunda-feira à noite aconteceram manifestações contra Shinzo Abe. Uma nova pesquisa, divulgada pelo canal público NHK, confirmou o impacto do escândalo na popularidade do governo, que registra o menor nível desde as eleições legislativas de outubro de 2017 (44%, dois pontos a menos que em fevereiro).

A situação "compromete as chances de Abe de obter um terceiro mandato como líder do Partido Liberal Democrata (PLD) em setembro", advertiu o analista Tobias Harris, vice-presidente do centro de pesquisas Teneo Intelligence.