Correio do Povo | Notícias | Agressor de Paris estava fichado como radicalizado

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Setembro de 2018

  • 13/05/2018
  • 10:42
  • Atualização: 10:51

Agressor de Paris estava fichado como radicalizado

Homem de 21 anos não tinha antecedentes, mas constava no arquivo ´S´

Policiais mataram o agressor em Paris | Foto: Eric Feferberg / AFP / CP

Policiais mataram o agressor em Paris | Foto: Eric Feferberg / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O homem que matou uma pessoa e feriu outras quatro a facadas no sábado, em Paris, um francês de 21 anos, nascido na Chechênia, estava fichado como radicalizado pelos serviços de Inteligência - disseram neste domingo fontes ligadas à investigação.

O agressor não tinha antecedentes judiciais, mas constava no arquivo "S" dos serviços de Inteligência, o qual armazena informações de mais de 10 mil pessoas perigosas.

Esse arquivo inclui islamistas radicais, gente suscetível de ter contatos com movimentos terroristas, "hooligans" do futebol, ou membros de grupos de extrema esquerda, ou de extrema direita.

O ataque

O ataque ocorreu no II arrondissement da capital francesa, perto da Ópera Garnier, uma zona central cheia de bares, restaurantes e teatros, muito movimentada nas noites de sábado. Pouco antes das 21h, o homem esfaqueou cinco pessoas, entre elas um pedestre que morreu em consequência de seus ferimentos, indicou o diretor de gabinete da chefia de polícia de Paris, Pierre Gaudin. A polícia interveio imediatamente e matou o agressor, acrescentou. Duas pessoas ficaram gravemente feridas no ataque e foram levadas a um hospital do oeste de Paris. As outras duas tiveram ferimentos leves.

Um ato atroz

O ministro do Interior, Gérard Collomb, elogiou no Twitter "o sangue frio e a capacidade de resposta das forças policiais que neutralizaram o agressor". "Meus primeiros pensamentos são para as vítimas deste ato atroz", acrescentou. A brigada criminal da polícia judicial de Paris abriu uma investigação sobre o ocorrido, indicou uma fonte judicial.