Correio do Povo | Notícias | Arábia Saudita inaugura canal de TV destinado ao público jovem

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 21 de Outubro de 2018

  • 15/05/2018
  • 08:55
  • Atualização: 09:08

Arábia Saudita inaugura canal de TV destinado ao público jovem

Criação da rede faz parte das novas medidas liberalistas impostas pelo príncipe herdeiro

Arábia Saudita inaugura canal de TV destinado ao público jovem | Foto: Fayez Nureldine / AFP / CP

Arábia Saudita inaugura canal de TV destinado ao público jovem | Foto: Fayez Nureldine / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Jovem e generalista. Esta semana nasce um novo canal de televisão saudita com grandes ambições regionais e o objetivo de ser o reflexo de um reino em plena transformação, sob o impulso do príncipe herdeiro Mohammad bin Salman. A Saudi Broadcasting Corporation (SBC), grupo audiovisual público que parecia estar adormecido desde sua criação em 1962, vai lançar uma rede voltada para o entretenimento no início do mês de jejum muçulmano do Ramadã.

Conhecida como SBC, a rede será dirigida por jovens sauditas e pretende aproveitar o Ramadã para captar grandes audiências na Arábia Saudita, no Golfo e no Oriente Médio. "É um canal generalista que busca atrair novas gerações de sauditas" em particular, explica à AFP o responsável pela nova rede e pelo audiovisual público saudita, Daud Shirian. "Os conteúdos dos programas são 75% dirigidos aos jovens de 15 a 35 anos", detalha, enfatizando que o lançamento da rede SBC vem "acompanhar as mudanças vividas pelo reino nas cenas artística, cultural e do entretenimento".

Este homem da televisão, conhecido por sua franqueza quando dirigia um famoso programa de entrevistas em um canal privado, foi nomeado responsável do audiovisual saudita no fim de novembro. Sua indicação foi vista como um novo sinal das mudanças impulsadas pelo príncipe Mohammad, de 32 anos, que parece ter pressa para modernizar o país.

O reino ultraconservador muçulmano se abre aos poucos ao entretenimento de inspiração ocidental. Os cinemas foram reabertos no mês passado e as sauditas poderão finalmente dirigir em 24 de junho, depois de ganharem o direito de criar suas próprias empresas e assistir a partidas de futebol.

Problemas comerciais

Assim como a incipiente indústria do entretenimento que incita os sauditas a gastarem no país em vez de irem ao exterior, a nova rede SBC deseja recuperar enormes orçamentos publicitários. "Neste momento, 90% destes orçamentos vão para o exterior, e o objetivo é recuperar esse dinheiro, assim como os jovens especialistas sauditas", diz Shirian. SBC será a rede pública de cultura e entretenimento do catálogo audiovisual saudita, composto por uma primeira rede nacional, outra dedicada ao Alcorão e uma terceira, El Ejbariya, de notícias controlada pelo Estado.

A programação da SBC será formada principalmente por séries sauditas e árabes, assim como por produções exclusivas, uma delas com a estrela egípcia Adel Imam. A programação se completará com concursos de canto e programas de cozinha, de cinema e de entrevistas. "Os programas se inspiram em 'Vision 2030' (um amplo plano de reformas do príncipe herdeiro) que quer reforçar o espírito de abertura e rejeitar o pensamento extremista", diz a rede em um comunicado. "Queremos um lançamento espetacular" e "queremos começar imediatamente a competir com as grandes redes (árabes)", afirma o diretor de programas, Fahd Jalil.

Concorrência direta

"Queremos ocupar a primeira posição desde o primeiro dia. Não temos medo do peso dos rivais e os ultrapassaremos rápido", disse Shirian. Ele parece não ter dúvidas sobre a capacidade da SBC de triunfar sobre os dois gigantes: o grupo Middle East Brodcasting Center (MBC) e a rede Rotana.

Waleed Al Ibrahim e o príncipe Al-Waleed bin Talal, proprietários respectivamente dos dois grupos, foram detidos recentemente junto com outras dezenas de príncipes e empresários no Ritz-Carlton, acusados de "corrupção". O príncipe herdeiro, que realizou esta expurgação sem precedentes, pediu que ambos os grupos vendam ações ao governo, de acordo com informações que nunca tinham sido confirmadas oficialmente.