Correio do Povo | Notícias | Visita de Erdogan gera protestos em Londres

Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 14 de Agosto de 2018

  • 15/05/2018
  • 12:02
  • Atualização: 12:06

Visita de Erdogan gera protestos em Londres

Reino Unido busca fortalecer relações com sócios

Visita de Erdogan gera protestos em Londres | Foto: Daniel Leal-Olivas / AFP / CP

Visita de Erdogan gera protestos em Londres | Foto: Daniel Leal-Olivas / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

Defensores da liberdade de imprensa e ativistas curdos foram às ruas nesta terça-feira, na frente do número dez da Downing Street, em Londres, em protesto contra o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, antes de ser recebido pela primeira-ministra britânica, Theresa May, e pela rainha Elizabeth II. Erdogan iniciou no domingo uma visita oficial de três dias ao Reino Unido, que busca fortalecer as relações com seus sócios de fora da União Europeia (UE) diante de sua cada vez mais próxima saída do bloco.

A rainha recebeu o presidente e sua mulher, Emine Erdogan, no Palácio de Buckingham. Um porta-voz de Downing Street disse que, durante o encontro entre May e Erdogan, esta tarde, haverá uma "franca discussão" sobre direitos humanos. "Sempre fomos claros sobre querermos que a Turquia respeite suas obrigações internacionais, incluindo o respeito à liberdade de expressão e às liberdades políticas", acrescentou.

A visita acontece a pouco mais de um mês das eleições presidenciais e legislativas turcas antecipadas para 24 de junho. Esta consulta marcará a passagem de um sistema parlamentar para um sistema presidencial, que terá como pilar um chefe de Estado com poderes ampliados, após uma revisão constitucional aprovada pelo referendo do ano passado.

Erdogan decretou estado de emergência cinco dias depois do frustrado golpe de Estado contra ele, em 15 de julho de 2016. Segundo a organização de defesa da liberdade de imprensa Repórteres sem Fronteiras, há 172 jornalistas detidos na Turquia por fazerem seu trabalho e uma "caçada" aos meios críticos desde o golpe de Estado.