Correio do Povo | Notícias | Missão brasileira vai aos EUA tratar de crianças separadas dos pais

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

  • 13/07/2018
  • 14:09
  • Atualização: 14:31

Missão brasileira vai aos EUA tratar de crianças separadas dos pais

Grupo é liderado pelo ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha

Comitiva irá debater situação de crianças separadas dos pais em entrada irregular nos EUA | Foto: Handout / AFP / CP Memória

Comitiva irá debater situação de crianças separadas dos pais em entrada irregular nos EUA | Foto: Handout / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

Uma missão chefiada pelo ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, embarcará neste sábado para os Estados Unidos em missão sobre direitos humanos e migrações. O principal ponto da pauta é a questão das crianças brasileiras separadas dos pais durante entrada irregular no país. Rocha esteve no país há cerca de uma semana pra tratar do tema. Além do ministro, também integram a missão representantes da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Eles vão passar por Nova York, Washington e Boston e até o dia 20 tem reuniões em órgãos multilaterais e organizações da sociedade civil com atuação voltada par a proteção de migrantes.

Na agenda estão reuniões com a representação brasileira junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), com integrantes da Organização Internacional para Migração (OIM), do Alto Comissariado dos Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). Os integrantes do governo brasileiro ainda irão visitar abrigos de imigrantes para avaliar a situação da recepção de brasileiros nesses locais, o Espaço da Mulher Brasileira, em Boston, e a Universidade de Harvard.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, o ministro Gustavo Rocha disse que está determinado a garantir que famílias se reúnam de forma definitiva. "A gente tem de respeitar as leis dos países. A gente entende que cada país tenha sua legislação específica. Mas não podemos aceitar que essa legislação venha a violar os direitos humanos básicos, como o de reunião de famílias. Nossa preocupação é garantir que os direitos humanos sejam assegurados de forma plena", disse.

Segundo ele, o número de crianças brasileiras ainda separadas dos pais varia diariamente e estaria em torno de 50. O caso mais preocupante é o de uma criança de 8 anos que está sozinha, em um abrigo em Nova York. "Quero conversar e ver essa criança de perto", afirmou Gustavo Rocha.